BNP Paribas é investigado na França sobre genocídio em Ruanda

Banco acusado de cumplicidade pela transferência de 1,3 milhão de dólares a um negociador de armas disse que a medida já era esperada e não foi uma surpresa

Paris – Promotores franceses abriram uma investigação em larga escala sobre a suposta cumplicidade do BNP Paribas no genocídio de 1994 em Ruanda, disse uma autoridade da promotoria nesta segunda-feira.

O banco, acusado por organizações não governamentais de cumplicidade pela transferência de 1,3 milhão de dólares a um negociador de armas, disse que a medida já era esperada e não foi uma surpresa.

“Isso de forma alguma constitui um novo desdobramento”, afirmou a porta-voz do BNP Paribas.

A investigação sucede um inquérito preliminar iniciado no começo deste ano, quando três organizações não governamentais prestaram queixa sobre o assunto.

Na França, a abertura de uma investigação de larga escala não implica em culpa e não acarreta automaticamente em julgamento.

O processo indica que os investigadores acredita que a queixa ou informações recolhidas durante inquérito inicial merecem mais investigação.