Bisturi em ação

Hospitais se associam para cortar custos

No fim de março de 2001, o paranaense Erickson Blun, diretor técnico e comercial do Hospital Anchieta, de Brasília, teve uma péssima reunião com representantes de uma seguradora. A conversa, com negociações complicadíssimas, havia sido tão desgastante quanto uma cirurgia. A ponto de ele se perguntar: “Será que todos os hospitais têm esse tipo de problema?” Imediatamente, Blun pegou o telefone e começou a ligar para grandes hospitais privados do país, pedindo para falar com o “número 1” ou o “manda-chuva” (ele não sabia o nome da maioria dos executivos). Propôs um fórum para discutir os problemas do setor.

Em maio, diretores de 22 instituições se reuniram em Brasília para o Brasil Top Hospital — I Fórum Nacional de Hospitais Privados. Compareceram ao encontro representantes de hospitais de vários estados, como o gaúcho Moinhos de Vento, o paulista Albert Einstein e o cearense Monte Klinikum. Dessa reunião nasceu a Associação Nacional dos Hospitais Privados (Anahp). Entre os objetivos da entidade estão padronizar procedimentos médicos, criar mecanismos de certificação de qualidade e, é claro, ganhar força nas negociações com clientes e fornecedores. No fim de outubro, a Anahp organizou a primeira licitação para a compra conjunta de 115 medicamentos básicos. “Conseguimos cerca de 10% de redução nos preços, num negócio de 10,5 milhões de reais”, diz Blun, que se tornou diretor financeiro da entidade. “Agora, pretendemos fazer o mesmo com material médico e equipamentos.”