Berlim investiga Facebook por violação da proteção de dados

A autoridade também acredita que a empresa pode estar utilizando sua posição dominante no mercado das redes sociais para impor cláusulas abusivas

A autoridade da concorrência na Alemanha decidiu abrir uma investigação contra o Facebook por suspeitas de que a rede social imponha aos usuários condições de utilização contrárias às leis de proteção de dados.

“A suspeita inicial é que as condições de utilização do Facebook infringem as regras de proteção de dados”, declarou em um comunicado o escritório anticartel.

A autoridade também acredita que a empresa pode estar utilizando sua posição dominante no mercado das redes sociais para impor cláusulas abusivas.

A investigação é dirigida contra o grupo Facebook, sua filial na Irlanda (onde está sua sede europeia) e sua filial alemã situada em Hamburgo.

“As empresas que têm uma posição dominante em seu setor têm obrigações específicas, entre elas a de usar cláusulas contratuais equilibradas”, disse o presidente do gabinete, Andreas Mundt.

“No caso de serviços de internet financiados pela publicidade, como Facebook, os dados dos usuários têm um valor enorme. Por isso é essencial examinar (…) se os consumidores estão suficientemente informados sobre o tipo e a extensão do recolhimento de dados”.

O fundador e presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, esteve em Berlim na semana passada, onde foi recebido com honras.

As investigações do escritório alemão da concorrência costumam durar vários meses.