Bematech reverte perdas e termina 2º trimestre com lucro

Companhia reverte prejuízo de 14,3 milhões de reais de 2007 e termina o período com lucro de 4,4 milhões de reais. Licenças de software cresceram 116%

A Bematech, empresa de sistemas de automação comercial, conseguiu reverter a seqüência de perdas registradas desde o ano passado e encerrou o segundo trimestre de 2008 no azul.

Segundo o balanço divulgado na segunda-feira (04/08), a empresa – que teve prejuízo de 14,3 milhões de reais no segundo trimestre do ano passado – terminou com lucro de 4,4 milhões de reais. De acordo com o presidente da Bematech, Marcel Malczewski, o resultado negativo registrado no ano passado foi reflexo das despesas relativas ao IPO, de cerca de 22 milhões de reais.

O faturamento no segundo trimestre subiu 33%, chegando a 78,6 milhões de reais. A unidade de software foi a que mais cresceu: 116% em receita, atingindo 9,9 milhões de reais. No total foram 586 licenças vendidas, mais que o dobro em relação ao ano passado. O foco da Bematech para a venda de software continua no pequeno e médio varejo.

O sistema de nota fiscal eletrônica – em especial a Nota Fiscal Paulista – continuou impulsionando a venda de impressoras fiscais da Bematech, e, com isso, contribuiu para o crescimento de 30% no faturamento da área de hardware, chegando a 53,8 milhões de reais. Nos últimos três trimestres, a venda de impressoras fiscais dobraram, segundo Malczewski.

A divisão de serviços cresceu 14%, a 15 milhões de reais. O EBITDA – lucro antes do pagamento de juros, impostos, depreciações e amortizações – atingiu 14,2 milhões de reais, com margem de 22,4%. Para o ano de 2008, a Bematech estima crescimento de 25% na receita líquida e margem de EBITDA entre 22 e 25%.

No período, a Bematech finalizou a aquisição da Snackcontrol, do ramo de software para franquias de alimentação, anunciou a aquisição da Misterchef, do ramo de micro e pequenos restaurantes, e a incorporação da Logic Controls, empresa norte-americana de automação comercial. Pelos moldes do acordo, a Bematech pagará antecipadamente 11 milhões de dólares, de um total que pode chegar a 22 milhões de dólares, dependendo do desempenho da empresa.

De acordo com a Pesquisa Mensal de Comércio do IBGE, o varejo – principal segmento de atuação da Bematech – cresceu em média 10% de janeiro a maio desse ano. O desempenho pode ter impulsionado o resultado da companhia no período. Nesta terça-feira (05/08), a empresa deverá comentar o desempenho do trimestre em conferência com investidores.

Momento de transição

O primeiro semestre foi marcado por uma fase de ajustes nas operações da Bematech, necessária depois dos tropeços iniciados dois anos atrás. Apenas quatro meses antes da abertura de capital, no primeiro semestre de 2007, a Bematech fez duas aquisições em software.

A primeira foi a GSR7, prestadora de serviços de tecnologia. A segunda foi a Gemco, especializada em software. Com as compras, o caminho estava aberto para atingir o objetivo de 300 milhões de reais de receitas anuais. A estratégia era clara, mas não resistiu ao teste da realidade.

“A Gemco deu um passo maior do que a perna”, diz Malczewski, presidente da Bematech. Com novos e grandes clientes – Shell, Magazine Luiza, Drogão, Supermercados Mambo, entre outros -, a empresa não conseguiu entregar o que prometera. Malczewski teve de tomar uma decisão drástica: fechou a unidade de software para balanço e simplesmente parou de vender.

O fundador da Gemco, Nelson Massud, deixou a empresa no meio do ano passado, meses antes do previsto. Em conversas com analistas e investidores, Malczewski admitiu que fez um mau negócio. Neste momento, a empresa busca convencer os analistas de que já está no caminho certo. As ações da companhia na manhã desta terça-feira (05/08) subiam 2,38%, a 7,30 reais.