Bematech cria ferramenta online para melhorar recrutamento

Página na web permite que gestores façam perguntas mais estratégicas nas entrevistas

São Paulo – Apesar de ter filiais espalhadas por todo o país, a empresa de tecnologia Bematech não tem um departamento de Recursos Humanos em todas as unidades.

Nos lugares em que o setor não está presente, são os gerentes e gestores que entrevistam pessoalmente os candidatos nos processos seletivos. Sem a formação específica para isso, muitos deles não sabiam guiar a conversa de forma estratégica. A partir desta necessidade, a companhia criou, em 2009, a ECO (Entrevista Comportamental Online), ferramenta que facilita a elaboração das entrevistas.
 
O case foi apresentado hoje pelo Gerente de Recursos Humanos, Nilson Nascimento, e pela Analista de RH da Bematech, Maria Ottilia Duarte, no segundo dia da conferência Gestão por Competências, realizado pelo IQPC (International Quality & Productivity Center), em São Paulo.
 
Dentro da plataforma ECO, todos os gestores podem acessar o “manual de competências” da empresa, um guia que indica quais pré-requisitos são exigidos de quem está sendo selecionado. “Nenhum gestor anda com o manual debaixo do braço então, se ele quer ver algum tipo específico de competência, ele pode consultar a ferramenta”, explica Maria Ottilia.
                                                   
Pelo ECO, o gestor tem acesso às diferentes competências exigidas pela empresa e, ao selecioná-las, tem uma lista de  possíveis perguntas para fazer aos candidatos. A partir da escolha do profissional, um formulário é gerado e a entrevista é estruturada de acordo com as necessidades da companhia. As competências gerais que são ponto de partida para a elaboração do questionário são adaptabilidade, energia, comunicação, foco no cliente, orientação para o resultado, planejamento, relacionamento interpessoal e trabalho em equipe.
 
Segundo os responsáveis pelo RH da Bematech, o ECO foi responsável pela redução do índice de rotatividade da empresa, de 5,2%, em agosto de 2009, para 2,7%, em fevereiro de 2010.