BB Seguridade fixa metas mais agressivas para 2014

A holding que controla os negócios do BB espera que o seu retorno sobre o patrimônio líquido médio ajustado fique em torno de 44% a 49%

São Paulo – A BB Seguridade divulgou nesta terça-feira, 11, em conjunto com suas demonstrações financeiras, suas metas de desempenho (guidances) para 2014. A holding que controla os negócios do Banco do Brasil espera que o seu retorno sobre o patrimônio líquido médio ajustado (RSPL) fique em torno de 44% a 49% neste exercício.

A projeção é mais agressiva que a divulgada para 2013, que ia de 37% a 41%.

Os prêmios de seguros dos segmentos de vida, habitacional e rural, a serem emitidos pela coligada BB Mapfre SH1, devem avançar no mínimo 24% e no máximo 32% em 2014. Nesta linha, a seguradora está mais conservadora. A projeção para 2013 ia de 37% a 49%.

No caso da coligada Mapfre BB SH2, que responde pela emissão de prêmios de seguros patrimoniais e de automóvel, a BB Seguridade projeta avanço de 19% a 26% em 2014. Para 2013, a meta era mais tímida ao indicar faixa de expansão de 15% a 20%.

A arrecadação com planos de previdência (Brasilprev) em 2014 deve ter alta de 33% a 47%. No ano passado, a BB Seguridade tinha meta mais conservadora que ia de avanço de 30% a no máximo de 40%.

Para o segmento de títulos de capitalização (Brasilcap), a holding projeta aumento de 10% a 15% neste ano. O guidance divulgado nesta terça-feira, 11, é bem mais conservador que o do ano passado, de aumento de 50% a 65%.

A BB Seguridade inaugurou hoje a temporada de divulgação de seguradoras de capital aberto no Brasil ao apresentar lucro líquido no conceito ajustado de R$ 707,4 milhões no quarto trimestre de 2013, aumento de 49,8% ante igual período do ano anterior. No ano de 2013, o lucro líquido ajustado da BB Seguridade foi a R$ 2,3 bilhões, alta de 28,9% ante 2012.


Refis

O lucro líquido da BB Seguridade no quarto trimestre de 2013 foi impulsionado, conforme explica a holding de seguros do Banco do Brasil em relatório que acompanha suas demonstrações financeiras, pela adesão de algumas de suas empresas ao Refis (programa especial de arrecadação de impostos). O efeito líquido total alcançou R$ 203,4 milhões no período.

Em novembro de 2013 a BB Corretora e as coligadas Mapfre Vida, subsidiária integral da BB Mapfre SH1, e Mapfre Seguros Gerais, subsidiária integral da Mapfre BB SH2, aderiram ao Programa de Recuperação Fiscal (Refis).

“Em virtude de os volumes de provisionamento serem maiores que os envolvidos para o pagamento das obrigações, houve reversão de provisões e consequentemente impacto positivo líquido no resultado da BB Seguridade de R$ 82,7 milhões referente à SH1, R$ 108,1 milhões referente à SH2 e R$ 12,6 milhões referente à BB Corretora”, detalha a BB Seguridade, em relatório.

Segundo a BB Seguridade, o pagamento feito à vista possibilitou a redução de 100% das multas de mora e de ofício, de 100% das multas isoladas, de 100% dos juros de mora e de 100% sobre o valor do encargo legal.

O efeito da adesão ao Refis foi parcialmente compensado pelo fortalecimento de disposições necessárias por ajustes regulatórios (IBNER – sinistros ocorridos mas não suficientemente informados), que somou R$ 34,6 milhões no quarto trimestre.

Considerando efeitos extraordinários como o impacto da adesão ao Refis e impostos, o lucro líquido da BB Seguridade atingiu R$ 903,611 milhões no último trimestre de 2013, avanço de 180,9% ante um ano.

Descontados esses fatores, o resultado líquido no conceito ajustado foi de R$ 707,4 milhões no quarto trimestre de 2013, aumento de 49,8% em 12 meses. Em relação ao terceiro trimestre, o aumento foi de 29,1%.