Banqueiros italianos perdem apelação no caso Parmalat

Dois banqueiros foram condenada por acusações relativas a fraude na venda da empresa de água mineral Ciappazzi para Parmalat, em 2002

Bolonha – Dois conhecidos banqueiros italianos perderam suas apelações na sexta-feira contra sentenças de prisão relativas a um caso de fraude ligado ao colapso do grupo italiano de laticínios Parmalat em 2003.

Um tribunal de Bolonha condenou o ex-presidente do Conselho de Administração do Banca di Roma, Cesare Geronzi, a cinco anos de prisão e setenciou a três anos e sete meses de reclusão o ex-presidente-executivo da instituição, Matteo Arpe.

A dupla, que ainda pode apelar para a mais alta corte da Itália, foi condenada por acusações relativas a fraude na venda da empresa de água mineral Ciappazzi para Parmalat, em 2002.

“Estamos totalmente surpresos com a sentença”, disseram os advogados de Arpe, Sergio Spagnolo e Mauro Carelli, em um comunicado após a decisão, que confirmou as penas de prisão proferida por um tribunal de instância inferior.

Eles disseram que seus clientes, atualmente no comando da Banca Profilo e do grupo de private equity Sator, iriam recorrer.

A Parmalat entrou em colapso em 2003, quando um buraco de 14 bilhões de euros foi descoberto em seu balanço, acabando com a economia de milhares de pequenos acionistas.

Aos 78 anos de idade, Geronzi não vai para a cadeia, mas pode ser colocado em prisão domiciliar.