Auditoria aponta que Ghosn gastou 11 milhões de euros para fins pessoais

Segundo relatório da Renault-Nissan, essa quantia inclui sobrecustos de passagens, doações a organizações sem fins lucrativos e despesas não especificadas

Paris – A auditoria interna da empresa holandesa RenaultNissan BV (RNBV) identificou que 11 milhões de euros foram supostamente utilizados com fins pessoais pelo ex-presidente da aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, Carlos Ghosn.

O Conselho de Administração da Renault revelou nesta terça-feira que essa quantia inclui sobrecustos de deslocamentos de avião, doações a organizações sem fins lucrativos e outras despesas não especificadas, mas realizadas por Ghosn.

As conclusões definitivas da avaliação confirmam as “deficiências em matéria de transparência financeira e de procedimentos de controle das despesas” apontadas em abril nos resultados provisórios dessa avaliação.

Nessa data, e com base nas conclusões preliminares, o Conselho de Administração pediu para a diretoria da Renault se aproximar à Nissan para que as duas acionistas decidissem “as medidas corretivas necessárias que serão aplicadas até o final de ano”.

O comunicado desta terça acrescentou que também solicitou aos representantes da Renault para que voltem a falar com a Nissan sobre “a aplicação de ações judiciais”.