Assembleia de credores da LBR é suspensa

O pedido, aprovado por unanimidade, foi feito pela própria empresa devido às negociações com a francesa Lactalis, controladora da Parmalat SpA

São Paulo – A assembleia de credores da LBR Lácteos Brasil, detentora de marcas LeitBom, Bom Gosto e Parmalat, foi suspensa hoje, quase uma hora depois de instalada.

O pedido, aprovado por unanimidade, foi feito pela própria empresa devido às negociações com a francesa Lactalis, controladora da Parmalat SpA, conforme adiantou o Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, no último dia 22. O novo encontro foi marcado para o dia 30 de setembro, no mesmo horário (11h) e local.

Logo após o início do encontro, o diretor presidente estatutário da LBR, Nelson Bastos, confirmou aos credores presentes que a Lactalis, por meio da Parmalat SpA, iniciou um processo de levantamento de auditoria financeira (due dilligence, na expressão em inglês) na LBR em junho e que a mesma se encontra adiantada e em fase final.

“O Banco Rothdchild, contratado pelo conselho da LBR para a procura de novo investidor, espera para a primeira quinzena de setembro uma proposta firme da Lactalis”, informou Bastos.

Segundo ele, essa nova proposta pode mudar ou não a formatação da relação com os credores. Conforme o Broadcast apurou, dependendo da proposta a ser a apresentada pela Lactalis, os termos de pagamentos aos credores da LBR contidos no plano podem ser modificados ou não, mas a percepção de risco será alterada (caso haja um investimento da Lactalis, o risco de inadimplência da LBR passa a ser menor).

“Na reinstalação da assembleia, no dia 30, os credores poderão apreciar o plano de recuperação judicial proposto, a evolução das recuperandas e o novo cenário que pode surgir”, ressaltou o diretor presidente estatutário da LBR.

Antes da reunião desta quinta-feira ser suspensa, foi decidido que a LBR informará no dia 16 de setembro, até as 14h, a situação na qual as negociações LBR-Lactalis se encontrará.

A medida foi solicitada primeiramente pelo credor Banco Sicredi, para que todos os credores estejam devidamente informados e preparados para a assembleia do dia 30. “Mesmo se não tiver uma resposta – positiva ou negativa – no dia 16, a LBR deverá informar seus credores de qualquer movimento assim que tiver uma posição definitiva”, reforçou o administrador judicial do caso, Ricardo Hasson Sayeg.

A transação entre a LBR e a Lactalis ocorreria via transferência de controle à empresa francesa por meio de aumento de capital de “centenas de milhões de reais”.

Fontes do Broadcast ainda comentaram que se o negócio vier a ser concluído será uma boa solução para a companhia, com perspectivas positivas para seus atuais credores. A Lactalis começou a produzir no País em julho, após a compra da fabricante de queijos gourmet Balkis.

Em recuperação judicial desde fevereiro, as dívidas da LBR são calculadas em mais de R$ 1 bilhão. O BNDES, que possui 30,3% da companhia e tem crédito de R$ 334,187 milhões, é considerado credor subordinado e não participa das deliberações e votações ocorridas nas assembleias.