As 22 maiores varejistas do Brasil: Pão de Açúcar perde 1° lugar

Segundo a Ibevar, 20% das vendas totais são feitas pelas 20 maiores varejistas, o que significa que o mercado é bem concentrado

São Paulo – Pela primeira vez em seis anos, o Carrefour ultrapassou o Grupo Pão de Açúcar e se tornou a maior varejista do Brasil, em termos de faturamento. As vendas da rede cresceram 15% em 2016 em relação a 2015.

O dado faz parte da pesquisa anual do Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo (Ibevar). O resultado é referente ao faturamento de 2016.

O avanço do Carrefour acontece por causa de uma divisão na sua rival. A partir do final de 2016, o GPA passou a divulgar os resultados da Via Varejo (Casas Bahia e Pontofrio) separadamente do segmento alimentar (marcas Pão de Açúcar, Minuto Pão de Açúcar, Extra, Mini mercado Extra e Assaí). A Via Varejo, dividida do resto do grupo, ocupa o 5º lugar no Ranking do Ibevar.

Segundo a Ibevar, 20% das vendas totais são feitas pelas 20 maiores varejistas, o que significa que o mercado é bem concentrado.

Veja a lista das 22 maiores varejistas abaixo.

 

Grupo Faturamento em 2016 Faturamento em 2015 Variação
Grupo Carrefour  R$                     49.103.325.988  R$                                 42.701.594.004 14,99%
Grupo Pão de Açucar  R$ 44.969.000.000 (faturamento apenas do segmento alimentar)  R$                                 76.933.000.000 Não se aplica
Grupo Walmart Brasil  R$                     29.409.150.946  R$                                 29.323.141.083 0,29%
Via Varejo  R$                     22.293.000.000  Resultados faziam parte do Grupo Pão de Açúcar Não se aplica
Lojas Americanas – LASA  R$                     21.400.572.000  R$                                 20.714.500.000 3,31%
Raia Drogasil  R$                     11.827.567.000  R$                                   9.424.777.000 25,49%
Grupo Boticário  R$                     11.400.000.000  R$                                 10.100.000.000 12,87%
Magazine Luiza  R$                     11.371.600.000  R$                                 10.498.300.000 8,32%
Cencosud Brasil Comercial Ltda  R$                       9.040.000.276  R$                                   9.267.780.338 -2,46%
Lojas Renner S.A  R$                       8.450.085.000  R$                                   8.073.387.000 4,67%
Drogarias DPSP  R$                       8.300.000.000  R$                                   7.000.000.000 18,57%
Makro  R$                       8.202.849.433  R$                                   7.747.897.308 5,87%
Máquina de Vendas  R$                       7.500.000.000  R$                                   8.586.232.000 -12,65%
Grupo Guararapes – Riachuelo  R$                       7.409.591.000  R$                                   7.008.367.000 5,72%
Dia Brasil Sociedade Ltda  R$                       7.162.377.000  R$                                   6.147.543.480 16,51%
Farmácias Pague Menos  R$                       5.831.574.000  R$                                   4.979.272.000 17,12%
C&A Modas Ltda  R$                       5.100.000.000  R$                                   4.551.400.000 12,05%
Irmãos Muffato & Cia Ltda  R$                       5.078.135.479  R$                                   4.095.683.945 23,99%
Companhia Zaffari Comércio E Indústria  R$                       4.958.000.000  R$                                   4.508.000.000 9,98%
Leroy Merlin  R$                       4.887.254.425  R$                                   4.665.998.567 4,74%
Casas Pernambucanas  R$                       4.797.071.000  R$                                   5.684.736.000 -15,61%
Lojas Cem  R$                       4.300.000.000  R$                                   4.500.000.000 -4,44

%

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. A concentração de vendas nas grandes redes caracteriza a desnacionalização das mesmas, tornando os consumidores reféns dos produtos elaborados pelas grandes industrias multinacionais. Tais produtos são industrializados em países distantes e percorrem grandes distâncias para chegar aos locais de consumo, fazendo os consumidores reféns, sem nenhuma segurança alimentar, passíveis de toda sorte de dificuldades para adquirir alimentos, no caso de ocorrência de quaisquer fatores que possam interromper seu fornecimento. É adequado fomentar lojas pequenas e médias, fornecendo alimentos produzidos localmente e com menor indice de industrialização, a fim de prevenir situações de escassez, fomentar o empresariado produtivo e distribuidor regional, além de menor tempo entre a produção, distribuição e consumo, além de manter o dinheiro aplicado localmente.