ArcelorMittal deve reduzir 10% do pessoal na República Tcheca

O grupo informou uma queda na demanda estava se aprofundando no segundo semestre e que os clientes estavam cada vez mais cautelosos diante das incertezas econômicas

Praga – O maior grupo siderúrgico do mundo, ArcelorMittal, vai demitir 10 por cento de seu quadro de funcionários na República Tcheca por causa de demanda por aço mais fraca que a esperada, informou um líder sindical nesta sexta-feira.

O grupo, que produz entre 6 e 7 por cento do aço do mundo, informou no início de dezembro que uma queda na demanda estava se aprofundando no segundo semestre e que os clientes estavam cada vez mais cautelosos diante das incertezas econômicas.

Na República Tcheca, a ArcelorMittal emprega cerca de 6 mil pessoas, incluindo subsidiárias. O representante sindical, Roman Bacica, que participa do conselho supervisor da unidade tcheca da ArcelorMittal, confirmou que cerca de 10 por cento dos trabalhadores serão demitidos.

“A demanda não está como se esperava, há algumas unidades no oeste da Europa que já estão paradas”, disse ele à Reuters. Ele acrescentou que os trabalhadores poderão participar de programa de demissão voluntária até 20 de janeiro.

A ArcelorMittal lançou em setembro plano para focar produção em suas unidades de menor custo para melhorar a rentabilidade. A empresa pretende fechar instalações siderúrgicas em Liege, na Bélgica, e paralisou alto fornos na França, Alemanha e Polônia e fornos elétricos em Luxemburgo e Espanha.