Aquisição da Ceusa acelera estratégia de oferta da Duratex

Duratex quer ampliar o seu portfólio de produtos, com ganhos de sinergias na integração das operações industriais

São Paulo – A aquisição da Ceusa, fabricante de telhas e revestimentos cerâmicos para pisos e paredes, faz parte da estratégia da Duratex de ampliar o seu portfólio de produtos, com ganhos de sinergias na integração das operações industriais. “A aquisição da Ceusa acelera a ampliação de uma oferta completa de soluções para os consumidores na área de materiais de construção”, afirmou nesta terça-feira, 29, o diretor-presidente da companhia, Antonio Joaquim de Oliveira, durante teleconferência com investidores e analistas.

A Duratex atua na fabricação de painéis de madeiras para a indústria de móveis, além de louças e metais sanitários. Na segunda-feira, 28, anunciou a aquisição da Ceusa, fabricante de revestimentos cerâmicos, por R$ 280 milhões.

Oliveira acrescentou que, a partir de agora, o foco da Duratex será a integração da nova companhia. Uma das possibilidades em estudo é a geração de valor no segmento de cerâmicos por meio da expansão da marca Deca neste segmento.

A Deca é bastante conhecida no mercado pela oferta de louças e metais sanitários. “O plano é entrar com a marca Deca nesse setor e consolidar esse movimento”, disse.

Conforme o executivo, o passo seguinte será o crescimento orgânico das operações da Ceusa. A empresa é composta de duas fábricas, que têm mais de 90% da capacidade produtiva já em operação, mas as unidades contam com possibilidade de expansão. “O setor (de cerâmicos) é bastante pulverizado. Vemos a possibilidade de crescer, sem perder margem”, disse, acrescentando que os ganhos de margem originados nas sinergias devem ser capturados a partir de 2018.

Não estão previstas novas aquisições de ativos, segundo Oliveira. “O foco é alavancar o Ebitda e reduzir a alavancagem (do grupo)”, explicou.

Serviços

O diretor-presidente da Duratex antecipou que a companhia busca uma transformação na sua estratégia de negócios, com reforço das marcas, análises de comportamento dos consumidores e oferta de soluções e serviços no segmento de materiais de construção. “Estamos analisando novos aspectos de crescimento. Queremos investir mais em serviços, marcas e novas formas de fazer negócio. Será uma transformação importante”, disse.

Oliveira explicou que essa estratégia ainda está sendo moldada, mas as diretrizes preveem maior oferta de soluções e menos aquisição de ativos. “Queremos ser mais ‘asset light”, comentou.