American Airlines estende cancelamentos de voos com 737 MAX até junho

Após Boeing anunciar corte de 20% na produção do modelo, Wall Street calcula queda nas entregas

A American Airlines informou neste domingo que irá estender o cancelamento de 90 voos por dia até o dia cinco de junho causados pela decisão de manter em solo os aviões Boeing 737 MAX depois de dois acidentes fatais em cinco meses.

A extensão do cancelamento de voos pela maior companhia americana é o mais recente sinal de que a aeronave não deve voltar a ser utilizada em breve.

A American Airlines informou em março o cancelamento até 24 de abril. Na sexta-feira, a Boeing anunciou que pretendia cortar a sua produção mensal de 737 em cerca de 20 por cento.

Wall Street calcula queda nas entregas

A Boeing não deve entregar mais de 500 de seus aviões 737 MAX a clientes este ano, e mesmo isso dependerá de uma rápida suspensão de uma parada efetiva nas entregas depois de junho, afirmaram nesta segunda-feira analistas em Wall Street.

Os números de entregas em março devem ser divulgados na terça-feira, 9, e espera-se que os clientes recebam menos da metade de uma estimativa de consenso anterior de 46 aviões, já que a decisão global de deixar os aviões em solo impediu os voos. Uma estimativa para março na semana passada da corretora Baird era de apenas 19 aviões.

Ainda assim, Wall Street demorou a tirar conclusões sobre o que isso significa em relação a quantos aviões 737 MAX a Boeing entregará aos clientes este ano e quantos terá que manter em seus próprios livros – mesmo depois de a empresa anunciar que cortará a produção em 10 aviões por mês ou cerca de 20 por cento.

De cinco corretoras conhecidas que produzem estimativas para os números do ano inteiro da Boeing, a Cowen e a Jefferies cortaram sua previsão de entrega de 2019 após a decisão da Boeing de reduzir a produção.

A Cowen agora espera entregas anuais de “cerca de 500”, abaixo da previsão anterior de 630 jatos MAX 737. A Jefferies espera que a Boeing forneça 497 aviões 737 MAX, abaixo dos 580.

Analistas da Cowen disseram em uma nota que, para entregar até 500 jatos MAX este ano, a Boeing teria que aumentar as entregas para companhias aéreas estrangeiras rapidamente no segundo semestre.

As entregas das aeronaves mais vendidas da Boeing foram congeladas após o acidente com a aeronave em um voo da Ethiopian Airlines em 10 de março, que matou todas as 157 pessoas a bordo.

Analistas também indicaram que a Boeing terá uma penalidade financeira por custos diretos, como concessões de clientes e perda de produtividade devido a interrupções associadas ao aterramento da frota.

Dos 26 analistas que cobrem a Boeing, quatro agora têm uma classificação de “manter” sobre as ações, de acordo com dados da Refinitiv Eikon, enquanto dois classificam como “forte venda”.

O aterramento dos 737 até agora varreu quase 25 bilhões de dólares do valor de mercado da Boeing, um dos piores desempenhos do Dow Jones Industrial Average este ano.