América Latina é a região do futuro, diz CEO da Nestlé

"Há muitos elementos que permitem dizer que a América Latina é o futuro", declarou o diretor da maior companhia de alimentos do mundo

Vevey (Suíça) – O Grupo Nestlé, que nesta quinta-feira anunciou os resultados anuais online em meio a grandes expectativas dos analistas, considera que a América Latina é um extenso horizonte, conforme disse em entrevista à Agência Efe o executivo-chefe da companhia, Paul Bulcke.

“Há muitos elementos que permitem dizer que a América Latina é o futuro”, declarou o diretor da maior companhia de alimentos do mundo, que em 2014 vendeu 91,6 bilhões de francos suíços (mais de R$ 270 bilhões).

Bulcke enfatizou que os investimentos se multiplicam na região, com novas fábricas no Brasil, no México e no Cone Sul de uma forma geral, o que para ele mostra “a confiança fundamental” nesta parte do mundo.

A companhia, com sede em Vevey, na Suíça, apresentou seus resultados financeiros de 2014, que Bulcke não quis chamar de positivos, mas de “sólidos” em um entorno econômico volátil e em um ano no qual a Nestlé experimentou um menor crescimento na China.

Apesar disso, a companhia conseguiu no último ano um lucro líquido próximo de 14,5 bilhões de francos suíços (mais de R$ 40 bilhões).

Analisando a situação dos principais mercados dentro da América Latina, para ele, embora todas as categorias de produtos tenham progredido no Brasil, o crescimento poderia ter sido ainda maior por conta do potencial do país.

Em sua opinião, a desaceleração econômica que a principal economia da América do Sul sofre tem relação não só com o rebaixamento dos preços das matérias-primas, mas também com certa instabilidade política.

“Casos de instabilidade política não permitem tomar as decisões adequadas. O país é que tem que ir atrás de algumas reformas. Todos sabem disso. Não estou dizendo nada novo, mas talvez não haja vontade política para fazê-lo. Seria doloroso a curto prazo, mas definitivamente bom a longo”, ponderou.

Sobre a situação na Venezuela, o diretor disse que a companhia continua a fazer negócios com o país, apesar dos problemas.

“Nem tudo é fácil, mas confio na força da Nestlé e do nosso pessoal de fazer negócios em países muito diferentes”, afirmou.

Na Argentina, outro grande mercado sul-americano no qual a iniciativa privada tem enfrentado em determinados setores dificuldades para operar nos últimos anos, Bulcke lamentou as turbulências atravessadas.

“Espero que encontre o caminho e que a classe média se reanime”, afirmou.

Para o México, o executivo-chefe da Nestlé antecipou que, após um ano de mudanças na legislação fiscal, adaptação de preços e queda na demanda, a empresa voltará a “ganhar força” porque têm “todas as condições” para isso.

Além dos grandes mercados latino-americanos, Bulcke disse que é preciso prestar atenção a Colômbia, Peru e Chile, que, segundo ele, tomaram a direção certa e se fortaleceram.

Para o mercado dos Estados Unidos, a Nestlé anunciou recentemente seu compromisso de retirar corantes e sabores artificiais de seus produtos, uma medida que o executivo-chefe garantiu não ser novidade, já o grupo trabalha nesta proposta há muito tempo.

Tais ingredientes já foram retirados de alimentos infantis, e este pedido aumenta cada vez mais entre os consumidores.

Segundo ele, essa decisão não tem nada a ver com dúvidas relacionadas à segurança dos corantes e dos sabores artificiais, mas sim com o fato de que o consumidor já não os quer.

“E como escutamos os consumidores, decidimos retirá-los”, explicou ele, lembrando que o grupo também está empenhado em reduzir as quantidades de sal e açúcar dos produtos.