Amazon adverte funcionários que criticaram política ambiental da empresa

Empregados que exigiram ações mais agressivas da companhia para combater mudanças climáticas foram informados de que violaram as regras internas

Funcionários da Amazon.com, que exigiram publicamente ações mais agressivas da empresa para combater mudanças climáticas, foram informados de que violaram a política da empresa de comércio eletrônico, e a companhia disse que mais infrações podem terminar em demissões, segundo um grupo ativista dos funcionários.

Os avisos por violações de uma política da empresa de falar com a mídia podem ser vistos como um exemplo de retaliação corporativa pelo ativismo climático dos funcionários, disse um analista de negócios – mas um especialista em relações públicas disse que essas restrições são uma política corporativa comum.

Uma porta-voz da Amazon afirmou que as regras da empresa, que exigem aprovação prévia dos funcionários que desejam falar publicamente sobre a empresa para a mídia, não são novas e são similares às de outras grandes companhias.

Um representante do grupo Amazon Employees for Climate Justice disse à Thomson Reuters Foundation que quatro de seus líderes haviam tido reuniões confidenciais com as divisões jurídica e de recursos humanos da gigante online em novembro.

As reuniões ocorreram na sequência de protestos climáticos globais recordes em setembro, que viram milhões de pessoas em mais de 160 países saírem às ruas.

Mais de 3 mil trabalhadores de tecnologia no bairro de South Lake Union em Seattle – sede da Amazon.com e dos principais escritórios de satélite do Google, Facebook e Microsoft – se uniram para protestar contra o apoio que seus empregadores fornecem às empresas de combustíveis fósseis.

Na véspera da greve climática, a Amazon prometeu tornar suas operações neutras em carbono até 2040. Mas alguns funcionários disseram que a empresa deveria ir ainda mais longe e reduzir os serviços de computação na web e em nuvem que presta às empresas de petróleo e gás.

O presidente-executivo da Amazon, Jeff Bezos, disse que sua empresa continuará trabalhando com empresas de energia, observando que “pedir às empresas de petróleo e energia que façam essa transição (de energia) com ferramentas ruins não é uma boa ideia e não faremos isso”.

Em outubro, o Amazon Employees for Climate Justice deu uma declaração ao Washington Post, assinada por dois funcionários, criticando a empresa por “querer lucrar em negócios que contribuem diretamente para a catástrofe climática”.

Em novembro, após responder a perguntas de advogados corporativos e representantes de recursos humanos, os dois funcionários foram avisados ​​pelo advogado Eric Sjoding de que haviam violado a política de comunicação atualizada da empresa falando à mídia sobre os negócios da Amazon sem aprovação.

Mas eles foram informados de que outras violações da política poderiam resultar em demissão, de acordo com uma comunicação interna à qual a Thomson Reuters Foundation teve acesso.

A empresa publicou uma nova política de comunicação que abrange entrevistas com a mídia, discursos públicos e uso de mídias sociais em setembro.

“Como em qualquer política da empresa, os funcionários podem receber uma notificação de nossa equipe de RH se soubermos de um caso em que uma política não está sendo seguida”, disse uma porta-voz da Amazon.

Em maio, mais de 8.700 funcionários da Amazon apoiaram uma proposta de resolução para os acionistas, exigindo que a empresa relate como planeja lidar com as mudanças climáticas.

Mas a proposta recebeu menos de 30% de aprovação na assembleia geral da Amazon.