Acordo entre Philips e TPV avança para nova fase

Após registrar a marca de 7,4 milhões na venda de televisores, o acordo entre as empresas terá um novo capítulo: agora, também investirão em áudio

 (Divulgação/Divulgação)

A Copa do Mundo costuma trazer bons negócios para o setor de televisores. Este ano não foi diferente. Na Europa e na América do Sul, continentes mais comprometidos com o evento esportivo, os consumidores foram às compras em busca da melhor imagem para acompanhar suas seleções. A TPV, fabricante de TVs que detém os direitos exclusivos sobre a marca Philips, aproveitou o movimento. No primeiro semestre deste ano, as vendas da empresa cresceram 30% e 45% nas duas regiões, respectivamente, ajudando a companhia a alcançar a marca de 7,4 milhões de aparelhos entregues globalmente. “Cada vez mais, as pessoas buscam a melhor tecnologia”, afirma Andre Romanon, diretor de marketing e produtos da TPV, multinacional de origem taiwanesa. “É o que procuramos entregar.”

O desenvolvimento tecnológico contínuo promovido pela TPV desde que assumiu a marca Philips, em 2011, vem garantindo à empresa um lugar de destaque no mercado. Segundo Romanon, o casamento entre o conhecimento técnico e o design da Philips com a capacidade produtiva da TPV, hoje a maior fabricante de telas do mundo, considerando TVs e monitores, proporciona uma capacidade única de atender às demandas dos consumidores. “Há um grande desafio no mercado, especialmente no Brasil, que é o de entregar telas cada vez maiores e com mais qualidade, sem abrir mão de um preço competitivo”, diz o executivo. “Conseguimos isso unindo expertise com eficiência.”

Para o futuro, a empresa prepara ainda mais desenvolvimento tecnológico. Uma das áreas que devem ganhar atenção é a de áudio. Também em junho, a TPV anunciou uma parceria com a lendária empresa britânica Bowers & Wilkins (B&W), referência mundial em termos de qualidade de som e design. Assim como no caso da Philips, a união não se resume ao uso da marca. As duas companhias vão compartilhar seus recursos de engenharia e desenvolvimento com o objetivo de elevar o padrão da indústria.

É com esse tipo de parceria e com o esforço contínuo de controlar todas as etapas do desenvolvimento de produtos que a TPV pretende garantir que a Philips volte a definir as tendências no mercado de televisores.

Casamento de sucesso

 (Divulgação/Divulgação)

O “relacionamento” entre Philips e TPV pode ser considerado mais que estável: já ultrapassa uma década. Antes mesmo de assumir a marca, a companhia fornecia componentes para a empresa holandesa. Agora, as duas multinacionais decidiram expandir ainda mais a relação, incorporando a área de áudio.

A decisão foi anunciada em junho, por meio de um acordo para que a TPV tenha a licença exclusiva de fabricação e comercialização dos produtos de áudio da Philips, incluindo a linha de acessórios. Até maio deste ano, essa tarefa cabia à Gibson Brands, que acabou entrando em recuperação judicial. Após avaliar diversos cenários possíveis, a Philips decidiu dar outro voto de confiança à TPV.

Manter intacta a reputação da marca junto aos consumidores e a confiança do acordo só foi possível graças à decisão da TPV de trazer para dentro de casa a estrutura de desenvolvimento tecnológico da Philips. Segundo Romanon, no processo de transferência da marca, nenhum talento foi desperdiçado.

Com isso, os times de engenheiros e designers de ambas as empresas se somaram. “Claro, havia algumas sobreposições, mas é seguro dizer que ficamos com o melhor dos dois mundos”, afirma o executivo. Essa excelência tecnológica pode ser atestada pelos diversos prêmios conquistados. Este ano, por exemplo, a Philips foi eleita a melhor compra na categoria OLED TV pela prestigiada EISA, associação que reúne as principais revistas especializadas da Europa, entre mais de 60 outros prêmios.

 (Marcelo Andreguetti/Estúdio ABC)