8 fracassos e escândalos empresariais de 2019

Lista tem empresas como o WeWork, que viu seu IPO fracassar, e a Boeing, que busca se reerguer após dois acidentes fatais com o 737 Max

O ano não foi fácil para as empresas. No Brasil, o ano começou com o rompimento em uma barragem da Vale em Brumadinho, MG, que deixou centenas de mortos, e se encerra com uma briga na Odebrecht, entre o pai, Emílio Odebrecht, e filho, Marcelo. 

Multinacionais também tomaram as manchetes, como o WeWork, que viu seu valor de mercado derreter depois do fracasso de seu IPO, o Facebook, levado a depor sobre a criação de sua criptomoeda Libra, e a Boeing, que busca se reerguer após dois acidentes fatais com o seu avião 737 Max.

Relembre abaixo 8 fracassos e escândalos empresariais que ocorreram durante o ano de 2019.

Vale

No dia 25 de janeiro, uma barragem de uma mina da Vale em Brumadinho, MG, estourou, deixando 256 mortos, 14 desaparecidos e um grande desastre ambiental. O rompimento levou à troca de presidência: o presidente da Vale, Fabio Schvartsman, e três diretores da mineradora solicitaram em março o afastamento temporário do comando da companhia. Desde abril, a mineradora é liderada por Eduardo Bartolomeo.

A companhia finalizou, em dezembro, uma investigação sobre as origens do incidente e concluiu que a causa foi a “liquefação estática dos rejeitos” na estrutura.

A Vale estima que, este ano, terá desembolsado 1,6 bilhão de dólares, cerca de 6,55 bilhões de reais, com reparação, indenizações e despesas pelo desastre. Recentemente, a mineradora voltou a apresentar metas de produção de minério de ferro, já que a ordem nos últimos meses era concentrar os esforços na reparação dos danos ambientais e na indenização às vítimas.

WeWork

A saída do fundador Adam Neumann do cargo de CEO da empresa de aluguel de escritórios foi o clímax de uma crise que levou a empresa a perder bilhões em valor de mercado. Em setembro, Neumann deixou o cargo pressionado pelo maior acionista da WeWork, o conglomerado japonês Softbank, levando em troca um pagamento de 1,7 bilhão de dólares. 

Depois da fracassada tentativa de fazer uma oferta inicial de ações (IPO, em inglês), que deveria ter acontecido em setembro, a empresa correu o risco de ficar sem caixa e recebeu uma ajuda de mais 10 bilhões de dólares do Softbank. As negociações com bancos para o socorro foram paralisadas hoje, o que complica ainda mais a situação da empresa.

De valor de mercado de 47 bilhões de dólares, o valuation caiu para 8 bilhões de dólares. A WeWork anunciou que vai demitir cerca de 2.400 funcionários no mundo, em estratégia de redução de custos para estabilizar sua operação de escritórios compartilhados.

Veja também

 

 

Correios

A Polícia Federal desarticulou, em setembro, um esquema de fraudes nos Correios que causaram prejuízos de 13 milhões de reais.

A operação Postal Off envolveu 110 policiais e teve início em Santa Catarina em novembro de 2018, quando foi apurado o primeiro indício dos crimes praticados pelo grupo criminoso e que contava com a participação de funcionários dos Correios.

Em nota, os Correios informam que “estão colaborando plenamente com as autoridades. A empresa permanecerá contribuindo com as investigações para a apuração dos fatos. Os Correios reafirmam o seu compromisso com a ética, a integridade e a transparência.”

Os Correios estão entre as empresas visadas para privatização no governo Bolsonaro, processo que inclusive levou à troca de presidência na estatal.

Libra (e o Facebook)

O fundador e presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, foi convocado pela comissão de serviços financeiros da Câmara a prestar esclarecimentos sobre a libra, a criptomoeda liderada pelo Facebook.

Anunciado em junho, o projeto reúne mais de 20 empresas na chamada Associação Libra. A expectativa era lançar a moeda no ano que vem, mas o plano vem sendo criticado por pontos que vão desde os problemas de privacidade do Facebook quanto à possibilidade de a moeda desestabilizar o sistema financeiro mundial ou ser usada para lavar dinheiro.

A empresa correu a dizer ontem que não é dona da libra. No mês passado, empresas como Mastercard e Visa, as duas principais bandeiras de cartão, e o sistema de pagamentos PayPal deixaram a associação.

Zuckerberg também sofre críticas ao não banir anúncios políticos da rede social. Em um discurso em outubro, ele afirmou que, embora tenha havido ataques de fake news comprovados em países como Irã, Rússia e China, segundo o executivo, suas redes sempre defenderão a “liberdade de expressão”. 

Veja também

Avianca Brasil

A Avianca Brasil, oficialmente OceanAir Linhas Aéreas, parou de voar em maio deste ano, deixando mais de 2.000 funcionários desempregados e milhares de clientes sem informações. 

Em recuperação judicial desde dezembro do ano passado, os maiores ativos da companhia aérea eram os seus slots, ou direitos de pouso e decolagem, em aeroportos concorridos. Foram meses da novela de distribuição dos slots (horários de pouso e decolagem) da Avianca no aeroporto de Congonhas, em São Paulo. A disputa envolveu um leilão dos ativos para a Gol e a Latam, não aceito pela Anac, brigas entre credores e entre as próprias companhias aéreas.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) finalmente anunciou em agosto que os 41 slots ficarão com Azul, Map e Passaredo. Logo em seguida, a até então desconhecida Passaredo anunciou a aquisição da MAP, ampliando sua presença em Congonhas. 

Ignorando os estragos, sua empresa-irmã, a colombiana Avianca Holdings, diz que quer “virar essa página” e fortalecer seus laços com o Brasil e assinou tratados de codeshare com a Azul e a Gol.

Tanto a Avianca Brasil como a Avianca Holdings têm como maior acionista o Synergy Group, grupo dos irmãos bolivianos naturalizados brasileiros Germán e José Efromovich. 

Oi

A operadora de telefonia Oi, em recuperação judicial desde 2016, teve um 2019 dos mais atribulados do capitalismo brasileiro, culminando com o anúncio da mudança na presidência. O presidente da Oi, Eurico Teles, até então visto como o salvador da empresa e líder de sua reestruturação, irá deixar o comando no final de janeiro de 2020. 

O anúncio foi feito em 10 de dezembro, no mesmo dia em que a companhia sofreu um mandado de busca e apreensão na Operação Mapa da Mina, nova fase da Lava Jato. A operação investiga contratos da Oi com o filho de Lula, o empresário Fábio Luís Lula da Silva, para benefício da companhia durante a negociação de compra da Telemar. 

A companhia negou que a empresa tenha sido beneficiada pelos negócios mencionados pela PF. A Oi disse ainda que “atua de forma transparente e tem prestado todas as informações e esclarecimentos que vêm sendo solicitados pelas autoridades”.

A Oi passou por diversos obstáculos nos últimos meses, como a iminente falta de caixa para manter as operações, lentidão na venda de ativos e pressões de acionistas, além da investigação na Lava Jato.

Enquanto isso, trabalha no seu plano de recuperação. A operadora já conseguiu reverter 35 bilhões de reais de sua dívida de 65 bilhões de reais e planeja dobrar em 2020 seus investimentos no segmento corporativo.

Boeing

No início do mês, a Boeing decidiu suspender temporariamente, a partir de janeiro, a fabricação do polêmico modelo de avião 737 MAX, envolvido em dois acidentes que, ao todo, deixaram quase 350 mortos.

Segundo a investigação dos casos, esses acidentes com quase 350 mortos tiveram origem em um problema no software da aeronave e fizeram a Boeing entrar em uma crise sem precedentes.

Hoje, 23, a fabricante de aeronaves anunciou que irá realizar mudanças na diretoria. Dennis A. Muilenburg deixou o cargo de CEO e será substituído por David L. Calhoun, atual presidente do conselho de administração. A mudança passará a valer a partir de 13 de janeiro de 2020. De acordo com comunicado divulgado pela companhia, a nova liderança deve trazer um comprometimento renovado em transparência, além de buscar retomar o 737 Max. 

Com a confiança do mercado abalada pelos acidentes, a Boeing entregou menos da metade do número de aeronaves nos primeiros onze meses de 2019 do que no mesmo período do ano passado, afetando seu balanço e toda sua cadeia de fornecedores.

Odebrecht

Além de uma recuperação judicial bilionária, ainda sem um plano aprovado pelos credores, a Odebrecht sofre com as disputas entre pai, Emílio Odebrecht, e filho, Marcelo. 

Depois de ser demitido por justa causa e sem direito à indenização, Marcelo Odebrecht, ex-presidente da empreiteira que carrega o nome de sua família, é alvo de uma investigação interna e corre risco de perder os benefícios da delação premiada que fez com o Ministério Público Federal (MF) e o Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

Marcelo estava afastado de qualquer função administrativa desde que foi preso em 2015, por conta da Operação Lava Jato. Porém, continuava na folha de pagamentos do grupo, recebendo 115 mil reais, além de benefícios como motorista e advogado.

Marcelo se sente injustiçado por ter sido condenado e preso, enquanto outros executivos que teriam cometido crimes, e não aderiram ao acordo de colaboração com o MPF, não passaram um dia na prisão.

Na semana passada, em entrevista ao jornal Valor Econômico, Ruy Sampaio respondeu às declarações de Marcelo e o acusou de chantagear a empresa justamente durante a assinatura do acordo de colaboração com MPF.