Wen Jiabao diz que inflação e corrupção podem afetar estabilidade na China

Primeiro ministro chinês disse acreditar que se as expectativas inflacionárias forem administradas corretamente, o país seguirá crescendo graças ao enorme plano de estímulo

Washington – O primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, disse que a inflação e a corrupção podem ter um “impacto adverso” na estabilidade política de seu país em entrevista divulgada hoje pela rede de televisão “CNN”.

“Estou preocupado pela gestão das expectativas de inflação na China”, afirmou Wen durante a entrevista, além de assegurar que realiza um grande esforço para fazer um bom trabalho nessa frente.

Também advertiu que tanto a corrupção como a inflação poderiam ter “um impacto adverso na estabilidade do poder” em seu país.

Wen, que iniciou ontem uma viagem pela Europa na qual visitará Grécia, Bélgica, Itália e Turquia, ressaltou que ambos os fenômenos afetam a confiança e o apoio do povo chinês ao Governo.

Apesar da advertência, disse acreditar que se as expectativas inflacionárias forem administradas corretamente, o país seguirá crescendo graças ao enorme plano de estímulo.

“A implementação do pacote de estímulo assegurou a continuidade de um crescimento econômico estável e relativamente rápido”, afirmou.

Acrescentou que as medidas “ajudaram a manter o bom momento do desenvolvimento econômico chinês” e evitaram grandes oscilações “no processo de modernização” da China por um severo impacto externo.

A China registrou, no ano passado, um crescimento de 8,7%, um número que alcançou graças ao plano de estímulo no valor de US$ 586 bilhões.

O primeiro-ministro chinês expressou hoje, em Atenas, seu respaldo a um euro estável e insistiu que seu país quer fortalecer os vínculos estratégicos com a União Europeia.

Também lembrou que as exportações europeias à China aumentaram 42% no primeiro semestre deste ano e previu que alcançarão US$ 500 bilhões de dólares no final 2010. EFE

Leia mais sobre economia

Acompanhe as notícias de Mundo do site EXAME no twitter