Walmart remove propaganda de games violentos e segue vendendo arma nos EUA

Após o massacre em uma das suas lojas nos EUA, a varejista está pressionada a tomar alguma atitude para diminuir a violência

O Walmart disse nesta sexta-feira (9) que pediu aos funcionários de suas lojas nos Estados Unidos para retirar cartazes, posteres e demos de jogos de videogame violentos.

Mas a empresa não fez alterações à sua política sobre de armas de fogo, que continuam sendo vendidas normalmente.

A varejista se viu envolvida nos massacres dos EUA depois que um deles ocorreu em uma de suas lojas, na cidade de El Paso, no último fim de semana.

A empresa afirmou que resolveu retirar a propaganda de games violentos após os dois últimos tiroteios nos EUA, no Texas e Ohio, na semana passada, que deixaram 31 pessoas mortas. Em um memorando interno, pediu que os funcionários verificassem suas lojas em busca de cartazes que contivessem comportamento agressivo e os removessem imediatamente.

Desde o atentado em El Paso, a empresa está pressionada para tomar alguma atitude. Uma petição iniciada por um de seus funcionários na Califórnia, para protestar contra a venda de armas de fogo, reuniu mais de 50 mil assinaturas nesta sexta. Só que a medida adotada pela empresa não foi a esperada pela petição.

Antes, o Walmert já tinha restringido parcialmente o acesso a armas. Anos de pressão pública levaram a empresa, a maior varejista de armas dos EUA, a acabar com as vendas de fuzis em 2015 e a elevar a idade mínima para a compra de armas para 21, em 2018. Ativistas agora pedem que a varejista tenha uma maior controle na hora de vender munições.