Uma em cada 4 crianças viverá com escassez de água em 2040

De acordo com levantamento da Unicef, mais de 36 países enfrentam atualmente situações de estresse hídrico extremo

Aproximadamente uma em cada quatro crianças em todo o mundo viverá em regiões com recursos hídricos extremamente escassos em 2040, informou a Unicef em um relatório na quarta-feira.

Em uma pesquisa divulgada no Dia Mundial da Água, a agência das Nações Unidas para a infância alertou que em pouco mais de duas décadas quase 600 milhões de crianças estarão vivendo em áreas com fontes de água severamente limitadas, conforme o crescimento populacional e o aumento da demanda de água se juntarem aos efeitos das mudanças climáticas.

Mais de 36 países enfrentam atualmente situações de estresse hídrico extremo, segundo o relatório, e a demanda de água excede a oferta renovável disponível.

O aumento das temperaturas e as secas podem colocar as crianças em risco de desidratação, de acordo com a Unicef, enquanto o aumento das chuvas e inundações pode destruir a infraestrutura de saneamento e ajudar a espalhar doenças transmitidas pela água, como a cólera.

Mais de 800 crianças com menos de cinco anos morrem diariamente por diarreia ligada a um saneamento deficiente e à escassez de fontes de água potável, disse o relatório.

A seca e os conflitos são os fatores por trás da escassez de água em partes da Nigéria, Somália, Sudão do Sul e Iêmen, diz o relatório. Quase 1,4 milhão de crianças nessas áreas enfrentam um “risco iminente de morte” por causa da fome.

Só na Etiópia, mais de nove milhões de pessoas não terão acesso a água potável neste ano, de acordo com projeções da agência.

Sem água “nada pode crescer”, apontou o diretor executivo da Unicef, Anthony Lake.

“Milhões de crianças carecem de acesso à água potável – o que põe em risco as suas vidas, afeta a sua saúde e ameaça o seu futuro”, acrescentou.

A crise “só vai aumentar, a menos que tomemos uma ação coletiva agora”, disse.

A Unicef pediu às comunidades que diversifiquem suas fontes de água e que os governos priorizem o acesso à água potável para crianças vulneráveis.

Em outro relatório divulgado na quarta-feira, a ONU disse que a reciclagem das águas residuais do mundo – cuja maioria não é tratada – aliviaria a escassez global de água e protegeria o meio ambiente.

Dois terços da humanidade vivem em zonas onde a escassez de água é patente por ao menos um mês do ano. A metade delas vivem na China e na Índia.

No ano passado, uma pesquisa do Fórum Econômico Mundial identificou as crises de água como o maior risco global da próxima década.

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente prevê que, de acordo com as tendências atuais, a demanda de água – para a indústria, a energia e um bilhão a mais de pessoas – aumentará 50% até 2030.