UE não tem acordo sobre testes de resistência em usinas

Bloco quer fazer testes nucleares mais amplos, mas França lidera os descontentes e quer mudanças

Bruxelas – A Comissão Europeia (órgão executivo da União Europeia) e os países da UE não conseguiram fechar um acordo nesta quinta-feira sobre os critérios e a metodologia que serão aplicados aos testes de resistência nas usinas nucleares devido a divergências em relação a questões como terrorismo e ciberataques.

Bruxelas e os organismos reguladores de segurança nuclear dos países comunitários voltarão a se reunir na quinta e na sexta-feira da semana que vem em Praga, informou a Comissão Europeia ao término do encontro em comunicado.

O Executivo comunitário defende que a avaliação deve ser a mais ampla possível e incluir os desastres de origem humana e seus resultados públicos, enquanto alguns países, como a França, se mostram reticentes a essas medidas.

A Comissão Europeia se limitou a dizer que “as discussões continuarão” e que constatou “avanços”, apesar de não se ter chegado a um acordo.

A necessidade de revisar a segurança das centrais europeias começou a ser discutida após o início da crise nuclear de Fukushima (Japão), com a intenção de evitar um acidente similar na Europa.