UE debate posição comum sobre Estado palestino

Membros do Parlamento Europeu começaram a debater se podem chegar a um acordo a respeito de uma abordagem comum para os 28 membros da União Europeia

Bruxelas – Frustrados com o impasse no processo de paz no Oriente Médio, um crescente número de líderes e integrantes do Legislativo de países europeus pedem o reconhecimento unilateral do Estado palestino.

Esse movimento avançou mais um passo nesta quarta-feira, quando membros do Parlamento Europeu começaram a debater se podem chegar a um acordo a respeito de uma abordagem comum para os 28 membros da União Europeia (UE).

O reconhecimento de um país é uma decisão de governos nacionais, mas a chefe da política externa da UE, Federica Mogherini disse aos deputados reunidos em Estrasburgo, na França, que o bloco precisa de “uma mensagem única e forte” para influenciar os acontecimentos.

No dia 30 de outubro, o governo da Suécia se tornou o primeiro país da Europa ocidental na UE a reconhecer o Estado palestino.

Desde então, o Legislativo do Reino Unido, Espanha e Irlanda aprovaram moções não vinculantes pedindo o reconhecimento.

Deputados franceses devem debater uma medida semelhante na sexta-feira.

A tendência em favor do reconhecimento despertou tanto alerta quanto aprovação em Israel.

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu advertiu na terça-feira que a medida pode encorajar os palestinos a “endurecer suas posições” e tornar a paz mais difícil de ser alcançada.

Outros israelenses disseram que as ações europeias, e seu efeito dominó, podem forçar o país de volta à mesa de negociação para conversações mais substanciais.

“Sem a pressão europeia, nada aqui sairá do lugar”, disse Alon Liel, ex-diretor do Ministério de Relações Exteriores de Israel.

A Alemanha, aliada mais próxima de Israel e membro mais poderoso da UE, lidera uma campanha que se opõe ao reconhecimento do Estado palestino antes que Israel adote a medida.

Segundo autoridades alemãs, o reconhecimento antecipado fará mais mal do que bem.

Na sexta-feira, a chanceler Angela Merkel disse que seu governo apoia uma solução de dois Estados e uma fórmula resistente para a paz. Fonte: Associated Press.