UE apoia corte na lista de países com vantagens tarifárias

Dos 176 países em desenvolvimento que dispõem de tarifas mais baixas, apenas 83 continuariam usufruindo do benefício

Bruxelas – Os países da União Europeia (UE) demonstraram nesta sexta-feira seu apoio ao corte proposto por Bruxelas na lista de países em desenvolvimento aos quais oferecem tarifas mais baixas e que pode excluir Estados que alcançaram um maior desenvolvimento econômico, como Brasil e Índia.

Os ministros de Comércio Exterior europeus debateram nesta sexta-feira em Bruxelas a iniciativa proposta pela Comissão Europeia (órgão executivo da UE) de reformar o Sistema de Preferências Generalizadas comunitário, de modo que dos 176 que dispõem de vantagens tarifárias, apenas 83 continuariam usufruindo desse benefício.

O secretário de Estado de Comércio Exterior francês, Pierre Lellouche, destacou em entrevista coletiva o apoio a esta proposta por parte dos Estados-membros e lembrou que esse sistema está projetado para “ajudar os países pobres e garantir-lhes o maior acesso possível aos países ricos”.

Ele acrescentou que o objetivo da medida é “diferenciar o momento em que passam de países em desenvolvimento a países desenvolvidos”, como, segundo ele, é o caso do Brasil e da China.

A Comissão Europeia espera que a reforma entre em vigor em 2014, após ser negociada com o Conselho da UE e a Eurocâmara, quando finalmente será publicada a lista definitiva de países que continuarão usufruindo das vantagens tarifárias.

Lellouche afirmou que acredita que Rússia, Brasil, África do Sul e países do Golfo Pérsico ficariam excluídos do sistema.

No entanto, o responsável francês assegurou que os dados disponíveis sobre os países podem variar e que a lista de beneficiados não está fechada.