Ucrânia diz que movimento de comboio russo é ilegal

A região de Lugansk, para a qual se dirigem 300 caminhões russos, está sob o controle de rebeldes pró-Rússia e cercada pelo Exército da Ucrânia

Kiev – O ministério das Relações Exteriores da Ucrânia disse não saber o que está no comboio russo de caminhões que cruzaram a fronteira na sexta-feira sem a permissão de Kiev, chamando o movimento de ilegal, “deliberado e agressivo”.

O governo russo disse nesta sexta-feira que estava enviando a primeira parte de um total de cerca de 300 caminhões supostamente carregados de ajuda para a cidade de Lugansk, no leste da Ucrânia.

A região está sob o controle de rebeldes pró-Rússia e cercada pelo Exército da Ucrânia. O comboio ficou estacionado em uma área perto da fronteira por uma semana em meio à disputa entre a Rússia e Ucrânia.

O ministério das Relações Exteriores da Ucrânia disse que a decisão da Rússia de enviar o comboio para a Ucrânia era ilegal e ignorava os acordos internacionais que tinham sido adotados sobre os veículos.

Oficiais ucranianos de fronteira e de alfândega começaram a inspecionar os caminhões na quinta-feira sob observação do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, que está ajudando a coordenar a entrega.

A Cruz Vermelha disse na sexta-feira que não recebeu garantias de segurança suficientes para que os seus representantes acompanhassem o comboio pela área, que tem sido palco de violentos combates nos últimos dias.

“O fato de que os veículos russos entrarem em território ucraniano, sem processamento relevante da carga pela alfândega e agentes de fronteira, e de que a carga não foi entregue conforme firmado em acordo por representantes da Cruz Vermelha demonstra a natureza deliberada e agressiva de ações da Rússia”, disse o ministério.

O ministério afirmou que estava particularmente preocupado com a falta de informação sobre o conteúdo dos caminhões. “A Rússia assume toda a responsabilidade pela segurança da carga”, acrescentou, observando que a Ucrânia tinha feito tudo o que podia para garantir a passagem segura.

No início desta sexta-feira, o ministério das Relações Exteriores da Rússia disse que estava despachando o comboio através da fronteira e acusou a Ucrânia de atrasar a permissão da travessia.

O chefe do Serviço de Segurança da Ucrânia, Valentyn Nalyvaichenko, também comentou o assunto. Para ele, o movimento da Rússia era uma “invasão direta” que “aconteceu pela primeira vez sob a cobertura da Cruz Vermelha”.

Nalyvaichenko insistiu que os homens que conduziam os caminhões de ajuda eram militares russos treinados para dirigir veículos de combate e disse que os caminhões quase vazios serão utilizados para o transporte de armas para os rebeldes.

Fonte: Dow Jones Newswires e Associated Press.