Ucrânia aprovou entrada de comboio humanitário, diz Rússia

Rússia anunciou que autoridades ucranianas deram sinal verde para a entrada do comboio russo que partiu há algumas horas com destino ao leste do país

Moscou – A Rússia anunciou nesta terça-feira que as autoridades ucranianas deram sinal verde para a entrada do comboio humanitário russo que partiu há algumas horas com destino ao leste da Ucrânia, cenário desde abril passado de um conflito entre forças governamentais e rebeldes.

“O movimento começou. Recebemos uma nota que confirma a disposição da parte ucraniana de receber a ajuda. A nota chegou hoje”, disse o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, citado pelas agências russas.

Lavrov explicou que Moscou aceitou que os caminhões com alimentos, remédios e equipamentos elétricos para a população das regiões de Lugansk e Donetsk levem a bordo representantes do governo ucraniano, da Cruz Vermelha Internacional e da OSCE.

“Em contato com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha, as autoridades da Ucrânia e representantes de organizações internacionais como a OSCE e a ONU chegamos a um acordo”, disse.

Lavrov explicou que a Rússia aceitou todas as condições impostas pela Ucrânia, incluído o itinerário do comboio através de um posto fronteiriço na região ucraniana de Kharkiv, sob controle das forças leais a Kiev, apesar de ser o mais longo.

“Acertamos que nossos caminhões tenham placas ucranianas durante o percurso pelo território da Ucrânia”, afirmou o chefe da diplomacia russa.

Lavrov expressou sua confiança de que o exército ucraniano garanta a segurança do comboio através das zonas sob seu controle e manifestou que espera exatamente o mesmo dos milicianos pró-Rússia.

A chancelaria russa disse ainda que cederá ao Comitê Internacional da Cruz Vermelha o controle sobre o comboio assim que ele chegar na fronteira russo-ucraniana.

O comboio inclui 262 caminhões que transportam, entre outras coisas, 400 toneladas de cereais, 100 toneladas de açúcar, 62 toneladas de alimentos para crianças, 54 toneladas de remédios, 12 mil sacos de dormir e 69 geradores elétricos.