UA suspende República Centro-Africana e pune rebeldes

O grupo rebelde Seleka derrubou o presidente François Bozizé e passou a controlar a capital do país, Bangui

Adis Abeba – O Conselho de Paz e Segurança da União Africana (UA) suspendeu nesta segunda-feira a participação da República Centro-Africana na organização e anunciou sanções a sete líderes do grupo rebelde Seleka, que, no domingo, derrubou o presidente François Bozizé e passou a controlar a capital do país, Bangui.

“O Conselho decidiu suspender imediatamente a participação da República Centro-Africana em todas as atividades da UA, assim como impor sanções, como restrições de viagens e congelamento de bens, aos dirigentes de Seleka, incluindo seu líder Michel Djotodia”, disse o comissário de Paz e Segurança da UA, Ramtane Lamamra.

O dirigente africano completou que “o Conselho pediu a todos os Estados membros que adotem as medidas necessárias para isolar por completo os autores desta mudança inconstitucional de poderes”.

Entre as medidas, ele citou “não oferecer um santuário e facilitar a aplicação de qualquer outra determinação da UA, incluindo o processo contra os autores da mudança inconstitucional”.

A República Centro-Africana já havia sido suspensa da UA em 2003, justamente quando Bozizé chegou ao poder com um golpe de Estado, mas o país foi reintegrado plenamente dois anos mais tarde.

A aliança rebelde Seleka é formada pela união de três grupos armados, que no fim do ano passado iniciaram uma ofensiva que concordou em paralisar suas tropas a 75 km de Bangui para iniciar uma negociação com o governo.

Como as conversações não avançaram, na sexta-feira os rebeldes retomaram a ofensiva e no domingo assumiram o controle da capital e ocuparam o palácio presidencial. Em meio a um cenário de saques generalizados, Djotodia se autoproclamou presidente.

Bozizé não foi encontrado no palácio presidencial e até o momento seu paradeiro é desconhecido.