Trump se reunirá com príncipe saudita durante cúpula do G20 na Argentina

Momento é decisivo nas relações entre os dois países devido ao recente assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi

Washington – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta terça-feira que se reunirá com o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, durante a cúpula do G20 em Buenos Aires, na Argentina, em um momento decisivo nas relações entre os dois países devido ao recente assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi.

“Não sei se ele estará lá, mas se estiver, farei-o”, disse Trump ao responder à pergunta sobre um possível encontro com o príncipe herdeiro durante o evento, marcado para ocorrer entre os dias 30 de novembro e 1º de dezembro na capital argentina.

O governo da Arábia Saudita confirmou ontem que Bin Salman estará presente na cúpula do G20 na Argentina.

O anúncio de Trump foi feito pouco depois de a Casa Branca ter publicado um longo comunicado do presidente minimizando a importância do possível envolvimento do príncipe herdeiro na morte de Khashoggi, assassinado no início de outubro no consulado saudita em Istambul por um grupo de agentes do país.

Trump afirmou que talvez seja impossível saber todos os fatos que cercam o assassinato do jornalista e afirmou que, mesmo que o príncipe herdeiro esteja envolvido diretamente no crime, a relação bilateral é importante demais para punir a Arábia Saudita.

“Os Estados Unidos pretendem seguir sendo um ferrenho aliado da Arábia Saudita para garantir os interesses do nosso país, de Israel e de todos os outros aliados na região”, disse Trump no texto.

O presidente americano ainda afirmou que o rompimento das relações entre os dois países faria os preços dos petróleos dispararem, destruindo assim a economia mundial.

Trump também planeja se reunir em Buenos Aires com os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e da China, Xi Jinping. A Casa Branca ainda não confirmou o restante da agenda do presidente na Argentina.

Esta será a primeira vez que a América do Sul recebe uma cúpula do G20, formado por países responsáveis por 85% do PIB mundial.