Reunião entre Donald Trump e Kim Jong-un é confirmada

Após troca de farpas entre os líderes nas últimas semanas, os ânimos parecem ter se acalmado e a histórica cúpula acontecerá como previsto

São Paulo – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que a cúpula planejada com o líder norte-coreano, Kim Jong Un, ainda irá acontecer no dia 12 de junho em Singapura.

“Eu acho que provavelmente será um muito bem-sucedida”, disse Trump a repórteres na Casa Branca. A expectativa, no entanto, é a de que várias reuniões aconteçam entre os líderes, dada a complexidade da questão e a diferença de opinião de cada um deles. O processo, portanto, deve ser longo.

A confirmação de que os planos para o encontro histórico vem depois de Trump se reunir com o “número 2” do regime coreano, Kim Yong Chol, no que foi a primeira reunião entre um presidente americano e um oficial norte-coreano desde 2000.

Ânimos exaltados

O encontro entre os líderes, no qual o processo de desnuclearização da Coreia do Norte será o tema central, esteve por um fio nas últimas semanas em razão, principalmente, dos temperamentos exaltados de ambas as partes.

Após a primeira confirmação de que a cúpula aconteceria, início de maio, o regime norte-coreano demonstrou profunda insatisfação com as manobras militares conjuntas entre EUA e Coreia do Sul realizadas dias depois dessa notícia.

Como resultado, o regime chegou a ameaçar o governo americano para que não confundisse “esforço de paz com sinal de fraqueza”. Trump imediatamente reagiu, cancelando o encontro.

A situação, no entanto, não passou de uma faísca, embora muito ameaçadora. Dias depois, os países restabeleceram os contatos e passaram a demonstrar publicamente que estavam trabalhando para salvar as negociações. Agora, ao que tudo indica, o histórico encontro entre EUA e Coreia do Norte parece estar de volta aos trilhos.

Repercussão

A declaração do presidente é vista como positiva por especialistas. Beatrice Fihn, diretora executiva da ICAN, entidade que ganhou o Nobel da Paz no ano passado por sua luta pela proibição de armas nucleares no mundo, disse em comunicado a EXAME que “o presidente Trump finalmente entendeu que o processo de desnuclearização da Coreia do Norte irá exigir o envolvimento da comunidade internacional, bem como passos progressivos”.

 

 

 (Rodrigo Sanches/Site EXAME)