Trump acusa ex-diretor do FBI de mentir em depoimento ao Congresso

Comey revelou que a investigação do FBI sobre laços entre Rússia e campanha de Trump se baseou inicialmente em quatro americanos

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acusou neste domingo o ex-diretor do FBI, James Comey, de mentir em seu depoimento diante do Congresso na sexta-feira passada, no qual o ex-funcionário revelou que a investigação sobre a ingerência russa em 2016 se centrou inicialmente em quatro cidadãos americanos.

Em duas mensagens em sua conta no Twitter, Trump criticou o testemunho de Comey, cuja transcrição se tornou pública ontem à noite e foi divulgada hoje por vários meios de comunicação americanos.

“O vazador James Comey deve ter estabelecido um recorde de quem mais mentiu para o Congresso em um dia. Seu testemunho na sexta-feira foi tão falso! Todo esse negócio é uma fraude arranjada liderada por pessoas desonestas que fariam qualquer coisa para que eu não pudesse me tornar presidente. Eles agora estão expostos!”, escreveu Trump.

O presidente americano acrescentou que, durante seu depoimento aos comités de Justiça e Reforma Governamental da Câmara dos Representantes na sexta-feira, Comey disse “em 245 ocasiões” aos legisladores que “não sabia, não lembra ou não podia se lembrar de coisas”.

“(Afirmou que o FBI) abriu investigações sobre quatro americanos (não dois), que não sabia quem as aprovou e que não conhecia Christopher Steele (autor de um relatório negativo sobre Trump). Tudo mentira!”, completou Trump.

Comey, demitido por Trump em maio de 2017, falou na sexta-feira ao Congresso a portas fechadas para responder às perguntas de legisladores que averiguam as ações do FBI e do Departamento de Justiça durante o escândalo que afetou a ex-candidata democrata Hillary Clinton com o uso do seu e-mail.

Em julho de 2016, Comey fechou a investigação do FBI sobre o uso de Hillary de um servidor privado para enviar e-mails quando era secretária de Estado, mas dias antes das eleições a reabriu para revisar novas mensagens, algo que, segundo os democratas, pode ter influenciado no resultado do pleito.

No seu depoimento, Comey defendeu as decisões que tomou em 2016 e revelou que a investigação do FBI sobre os possíveis laços entre a Rússia e a campanha de Trump se baseou inicialmente em quatro americanos, segundo a transcrição.

Comey não identificou essas quatro pessoas, mas disse que o próprio Trump não era uma delas.