Tribunal russo rejeita libertação de americano preso por espionagem

O ex-marine Whelan, de 48 anos, foi detido pelos serviços de segurança russos em dezembro

Um tribunal russo negou nesta terça-feira o pedido de libertação do norte-americano-britânico Paul Whelan, preso em dezembro em Moscou por acusação de espionagem.

O ex-marine Whelan, de 48 anos, foi detido pelos serviços de segurança russos FSB em 8 de dezembro e acusado de “realizar um ato de espionagem”, o que ele nega.

Paul Whelan ouviu a decisão do tribunal com a ajuda de um tradutor. Ele estava preso em uma espécie de jaula de vidro, como é habitual na Rússia nos julgamentos de suspeitos que permanecem detidos.

A prisão de Whelan ocorre em meio a tensões entre a Rússia e o Ocidente.

Alguns observadores acreditam que sua prisão está ligada à de Maria Butina, em julho de 2018, em Washington, uma russa que se declarou culpada de espionagem em favor de Moscou.

Esses observadores acreditam que Paul Whelan poderá servir de moeda de troca no caso da russa Maria Butina.