Tribunal paquistanês acusa ex-presidente por traição

Musharraf, 70 anos, foi formalmente acusado de traição por ter decretado estado de emergência e pela suspensão da Constituição em 2007

O ex-presidente paquistanês Pervez Musharraf foi acusado formalmente por “alta traição” por um tribunal especial, na primeira vez que um ex-comandante do exército do Paquistão recebe uma acusação deste nível.

Musharraf, 70 anos, foi formalmente acusado de traição por ter decretado estado de emergência e pela suspensão da Constituição em 2007, durante uma audiência no tribunal especial, em Islamabad.

A juíza Tahira Safdar leu o documento de indiciamento do ex-homem forte do país, que assumiu o poder após um golpe de Estado em novembro de 1999 e permaneceu no comando do país até 2008.

A audiência havia sido adiada diversas vezes por motivos de segurança.

Musharraf se levantou e afirmou imediatamente que era “inocente”.

Também alegou que não utilizou como pretexto seu estado de saúde e as ameaças dos talibãs para evitar a acusação do tribunal especial, criado em novembro do ano passado por seu grande rival, o atual primeiro-ministro Nawaz Sharif.