Tribunal ordena suspensão de canal da ‘Al Jazeera’ no Egito

Um tribunal administrativo do Egito ordenou a suspensão da difusão do canal ao vivo da "Al Jazeera" no país e três canais islamitas

Cairo – Um tribunal administrativo do Egito ordenou nesta terça-feira a suspensão da difusão do canal ao vivo da “Al Jazeera” no país e três canais islamitas, informou à Agência Efe fontes judiciais.

O Tribunal tomou essa decisão contra a Al Jazerra Mubasher Misr e contra os canais islamitas Al Yarmouk, Al Quds e Ahrar 25, este último pertencente aos Irmandade Muçulmana.

As quatro emissoras “careciam de permissões necessárias” e divulgaram informações “incorretas que danificam o país e os egípcios”, apontaram as fontes, que agregaram que a decisão judicial pode ser recorrida.

A Al Jazeera, que para alguns egípcios favorece os Irmandade Muçulmana, está atualmente na vista das autoridades por conta da cobertura informativa da crise no Egito, onde o Exército depôs em 3 de julho o presidente islamita Mohamed Mursi.

No domingo passado, o canal catariano assinalou que quatro de seus jornalistas tinham sido postos em liberdade após permanecerem detidos durante cinco dias sem acusações, enquanto outros três membros de sua equipe no Cairo seguem detidos.

A Al Jazeera pediu a libertação incondicional de seus jornalistas e a entrega do equipamento apreendido pelas autoridades.

Grupos de direitos humanos denunciaram em 5 de julho o fechamento de canais de televisão islamitas e a detenção de vários de seus trabalhadores, acusados de instigar à violência e chamar à desobediência civil para apoiar o deposto presidente Mohammed Mursi.

Após o golpe, a Polícia irrompeu nos canais Misr 25, da Irmandade Muçulmana; nas redes El Rahma, El Nas e Jaliguiya, de tendência salafista; e no canal ao vivo para o Egito da “Al Jazeera”.