Trem vai ligar Coreias e aumentar relações com a Rússia

Coreia do Norte e Coreia do Sul irão unir forças para uma modernização ferroviária, projeto que pode reduzir as distâncias na Ásia

Os governos da Coreia do Norte e da Coreia do Sul se reúnem nesta quinta-feira para discutir um projeto de modernização ferroviária, e consolidar a retomada das negociações entre os países.

O projeto já foi discutido pelos governos na terça-feira (26), e agora serão debatidos os planos de logística para a reconexão das linhas de trens que ligam os países. Inauguradas em 2007, duas linhas já faziam o trajeto entre as Coreias: a linha Gyeongui, que percorre 27,3 quilômetros entre a estação de Munsan, na Coréia do Sul, e a de Kaesong, na Coréia do Norte; e a linha Donghae, paralela à costa leste da península, traça os 25,5 quilômetros entre a estação norte-coreana de Kumgangsan e a sul-coreana de Jejin. Estas eram as únicas linhas que ligavam os países, após a guerra da Coreia, na década de 50.

Segundo o governo sul-coreano, a modernização da malha ferroviária vai facilitar as trocas comerciais, e impulsionar o turismo na região. Para especialistas, o projeto custará cerca de 35 bilhões de dólares, e demorará algumas décadas para ficar pronto.

A decisão de modernizá-las ocorre pouco depois do encontro entre os líderes sul-coreano, Moon Jae-in, e o norte-coreano, Kim Jong-un, que assinaram um acordo de paz na região. Além do histórico encontro das Coreias, Kim também participou de uma reunião com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no mês passado, e avançou ainda mais no processo de paz em seu país, e no fim de algumas sanções diplomáticas e econômicas. O encontro foi focado principalmente no processo de desnuclearização da península norte-coreana, tema de interesse mundial, uma vez que a Coreia do Norte passou o ano de 2017 trocando ameaças bélicas com o governo americano.

Com a modernização das linhas de trem, o processo de paz na região começa a dar seus primeiros passos mais concretos.

Não serão somente os coreanos os beneficiados pelo plano. O governo da Rússia já se manifestou publicamente em apoio ao projeto. Em abril, o presidente sul-coreano se encontrou com os líderes russos, Vladimir Putin e Dmitry Medvedv, para conversar sobre um projeto ainda maior: uma linha de trem que ligasse a Coreia do Sul com a Transiberiana.

O projeto beneficiaria em muito a Rússia, que teria mais facilidade para ampliar seus investimentos energéticos, e se aproximar ainda mais da China e da Coreia do Sul. O governo russo já tem um acordo de cooperação energética com o país sul-coreano, no valor de 30 bilhões de dólares, até 2020. A ideia é aumentar o tempo e os valores dos futuros acordos entre os países.

Com o fim do isolamento norte-coreano, as distâncias na Ásia, tanto as econômicas quanto as geográficas, caem consideravelmente.