Tony Blair: Ocidente deve se preparar para ação militar contra Irã

Ex-premiê do Reino Unido pediu para que os países deixem de ser condescendentes com o governo de Ahmadinejad

Londres – O ex-primeiro-ministro do Reino Unido Tony Blair declarou nesta sexta-feira que o Ocidente tem que estar preparado para uma ação militar contra a ameaça que o Irã representa para a segurança do mundo.

Durante seu segundo comparecimento diante da comissão que investiga a Guerra do Iraque, Blair fez um apelo aos países ocidentais para que mudem sua atitude condescendente em relação a Teerã e seu programa de enriquecimento de urânio.

Blair, que é enviado especial do Quarteto para o Oriente Médio – formado por Estados Unidos, Rússia, ONU e União Europeia (UE) -, argumentou que o Irã continuará sendo um elemento desestabilizador na região a menos que o Ocidente tome alguma medida com “a determinação necessária”.

“Trata-se de uma ameaça crescente. Eu passo na região o tempo todo e vejo o impacto e a influência do Irã em todas as partes. É negativa, desestabilizadora, de apoio a grupos terroristas e o país está fazendo tudo o que pode para impedir o avanço do processo (de paz) no Oriente Médio”, declarou.

“O Ocidente tem que abandonar sua atitude ‘de desculpa’ por acreditar que somos responsáveis pelo que os iranianos fazem”, defendeu Blair, que argumentou que o regime iraniano desenvolve um programa de armas nucleares porque é “contra o estilo de vida” ocidental.

Blair mencionou os esforços do presidente dos EUA, Barack Obama, de estender a mão ao Irã e acusou os iranianos de, como resposta, “seguirem com o terrorismo, com a desestabilização e com seu programa de armas nucleares”.

“Em algum momento teremos que tirar a cabeça da terra e entender que (os iranianos) vão continuar com isso”, afirmou.

O ex-primeiro-ministro do Reino Unido, um dos principais defensores da invasão do Iraque em 2003, rejeitou a ideia de que a operação para derrubar Saddam Hussein tenha fortalecido a influência iraniana no país e disse que o que fracassou foi a política do Ocidente do anos 1980, que apoiou o então ditador iraquiano como forma de frear o Irã islâmico.

“A resposta ao Irã não é Saddam. Essa foi a política de 1980 e tudo o que fizemos foi criar um monstro que não pudemos controlar”, concluiu.

Há um ano, em seu anterior depoimento na comissão, Blair já havia declarado que achava as políticas do Irã mais preocupantes do que as do Iraque, devido ao suposto risco de que Teerã forneça armas de destruição em massa a grupos terroristas.