Tombini toma posse como presidente do BC

Seu antecessor, Henrique Meirelles, foi presidente que ocupou o cargo por mais tempo

Brasília – O novo presidente do Banco Central (BC) Alexandre Tombini assumiu o comando da entidade monetária afirmando que, depois de um crescimento no crédito para o consumo, este tipo de financiamento deve perder ritmo e pode dar lugar a crescimento do crédito imobiliário. “É uma mudança salutar para o sistema financeiro”, afirmou o novo presidente do BC na cerimônia de transferência de cargo realizada nesta segunda-feira (3), em Brasília. De acordo com Tombini, a ampliação do crédito deverá acontecer de forma a não haver bolha, como observada em outros países, e que o BC cuidará disso.

Em seu discurso de despedida, o ex-presidente do BC Henrique Meirelles – e o que ficou mais tempo à frente da entidade monetária – destacou as mudanças ocorridas no período em que comandou o banco. Segundo Meirelles, quando assumiu o cargo, em 2003, seu desafio era enfrentar o “falso dilema” entre estabilidade e crescimento. “Falso dilema, porque o crescimento passa pela estabilidade”, afirmou.

Meirelles falou ainda sobre sobre melhorias de emprego e renda e destacou que “agora todas todos os municípios do país contam com o serviço bancário”. O ex-presidente disse também que os ciclos de aquecimento econômico e a necessidade de subir juros “são parte do processo normal de trabalho do BC, e não devem ser visto com alarde ou como sinal de que há algo de errado.”

Estiveram presentes na cerimônia de posse a presidente da Caixa Econômica Federal, Maria Fernanda, o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, o ministro da Fazenda, Guido Mantega e a nova ministra do Planejamento, Miriam Belchior, entre outras autoridades e diretores do Banco Central.