Tiroteio em cidade universitária do México deixa 2 mortos

Este é o segundo acontecimento violento ocorrido nas últimas 24 horas nas instalações da Universidade

Cidade do México – Pelo menos duas pessoas morreram nesta sexta-feira em um tiroteio na Cidade Universitária, no sul da Cidade do México, durante um confronto entre pessoas “alheias” à instituição educativa.

“Indivíduos alheios à Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM) tiveram um confronto, do qual dois deles saíram como ferimentos de bala”, informou a instituição em comunicado.

Posteriormente, a Procuradoria Geral de Justiça da Cidade do México confirmou a morte destas pessoas, e indicou que “realiza as investigações para localizar os responsáveis”.

O incidente aconteceu na tarde desta sexta-feira nas imediações da Faculdade de Tesouraria e Administração na sede principal da universidade.

Os agentes de segurança interna de Cidade Universitária foram os que deram o alerta, ao encontrar os dois feridos.

As vítimas, que já foram identificadas pela procuradoria, foram atendidas pelos corpos médicos para depois serem levadas à Clínica 8 do Instituto Mexicano do Seguro Social, onde morreram.

A polícia se encontra no local do tiroteio para buscar material das câmeras de vigilância e testemunhas, com o objetivo de que forneçam dados que “permitam identificar, localizar e deter o agressor ou os agressores”, de acordo com a procuradoria.

Por sua parte, a UNAM condenou “energicamente” o incidente e rejeitou “a presença de gente alheia à instalação, que nada tem a ver com as tarefas acadêmicas, culturais ou esportivas que se desenvolvem cotidianamente no campus”.

Este é o segundo acontecimento violento ocorrido nas últimas 24 horas nas instalações da UNAM.

Na noite de ontem, uma funcionária da Faculdade de Estudos Superiores Acatlán, uma das subsedes da UNAM, foi ferida por arma de fogo quando saía do estacionamento.

A UNAM expressou sua indignação perante “este brutal e inexplicável ato, que além de atentar contra a vida de uma universitária, turva o ambiente e põe em risco a segurança de todos”.

A instituição também exigiu uma “investigação exaustiva” que conduza ao esclarecimento dos fatos e ao castigo dos responsáveis. EFE

irg/rsd