The New York Times pede que Obama freie deportações

O jornal americano pediu para que o presidente reduza número de deportações de imigrantes ilegais e facilite regularização de milhares de pessoas

Nova York – O jornal “The New York Times” pediu nesta sexta-feira ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que reduza o número de deportações de imigrantes ilegais e que facilite a regularização de centenas de milhares de pessoas para que possam seguir vivendo e trabalhando no país.

Em um editorial, o prestigiado jornal aplaudiu a decisão de Obama de fazer uso de sua autoridade executiva para tentar regular parcialmente o sistema migratório, mas lhe pediu para seguir adiante.

“O senhor Obama deve fazer todo o possível, dentro da lei, para limitar os danos causados por um sistema obsoleto e injusto que está deportando as pessoas equivocadas, asfixiando os negócios, prejudicando às famílias e à economia”, destaca o texto.

Segundo “The New York Times”, a reparação do sistema deve começar permitindo a milhões de imigrantes permanecer no país “para trabalhar e viver sem medo”.

“Obama deve reduzir a maquinaria de deportações, que ele mesmo ampliou enormemente. Sua decisão há dois anos de parar as deportações de jovens imigrantes batizados “Dreamers” foi um bom primeiro passo. Agora deve proteger os pais dos “Dreamers” e, se for possível, os pais das crianças cidadãs”, acrescentou o jornal.

Para a publicação, a prioridade da Administração deve ser proteger às famílias e àqueles com fortes laços com o país, liberando recursos para lutar contra os traficantes e outros criminosos.

“The New York Times” declara ainda que as ações de Obama provocarão críticas dos republicanos, mas assegura que a maioria dos americanos estão contra a “obsessão” destes com o cumprimento das atuais normas.

“Deixe que o partido (republicano) pague um alto preço entre os eleitores latinos e asiáticos”, pede o jornal ao presidente, criticando as ideias da ala mais dura da oposição como “uma fantasia de fronteiras herméticas e expulsões maciças”.