Terrorista de Manchester comprou sozinho peças para montar bomba

Salman Abedi, de 22 anos, explodiu uma bomba de fabricação caseira que levava em uma mochila na zona pública da Manchester Arena

Londres – Salman Abedi, o terrorista suicida do atentado de Manchester, comprou sozinho a maioria das peças que utilizou para montar o artefato explosivo com o qual matou 22 pessoas, informou nesta quarta-feira a polícia.

Além disso, nos quatro dias entre sua chegada ao Reino Unido desde a Líbia e a noite do ataque, Abedi se locomoveu sozinho pela cidade, segundo o superintendente a cargo da unidade antiterrorista do noroeste da Inglaterra, Russ Jackson.

Abedi, de 22 anos, explodiu uma bomba de fabricação caseira que levava em uma mochila na zona pública da Manchester Arena, ao término de um show da cantora Ariana Grande, causando a morte de crianças e adolescentes e deixando 64 pessoas feridas.

Segundo a polícia, 11 pessoas permanecem detidas por relação com o atentado, que obrigou o Governo de Theresa May a elevar por alguns dias a ameaça terrorista ao nível mais alto, “o crítico”, que supõe que um ataque pode ser iminente.

“Grande parte da investigação se centrou nos últimos movimentos de Salman Abedi. Fizemos isto olhando os seus movimentos por câmeras de segurança e com outros contatos que teve”, disse Jackson.

“Com o apoio de especialistas, sabemos bem os possíveis componentes (que utilizou para fazer) a bomba e de onde procediam”, explicou o superintendente, que disse que Abedi comprou sozinho as principais peças para o artefato explosivo.

Jackson afirmou que é “vital” assegurar que ele não fazia parte de uma ampla rede terrorista e ainda “não descartamos essa hipótese”.

“Há ainda algumas coisas que nos preocupam sobre seu comportamento antes do ataque”, acrescentou.

Nos últimos dias, as televisões mostraram imagens de câmeras do circuito fechado de segurança de uma loja, na qual Abedi aparece sozinho, comprando aerossóis para limpeza doméstica.

Abedi nasceu em Manchester no seio de uma família líbia, que tinha fugido da ditadura, segundo detalhes da sua vida publicada na semana passada pelos meios locais.