Terremoto de grau 7,1 mata uma pessoa no Japão

Apenas 10 minutos depois, mais dois tremores foram sentidos na região, um de magnitude 6, e outro de 5,6

Tóquio – Um terremoto de magnitude 7,1 sacudiu nesta segunda-feira novamente o nordeste do Japão, matando pelo menos uma pessoa, e provocou um alerta de tsunami no litoral dessa região, informou a Agência Meteorológica japonesa.

As províncias Fukushima e Ibaraki foram as mais afetadas por este novo tremor que, segundo a rede de televisão “NHK”, causou a morte de pelo menos um homem que caiu em seu jardim na cidade de Ryugasaki e bateu com a cabeça.

O tremor aconteceu exatamente um mês depois do grave terremoto de 9 graus e posterior tsunami que em 11 de março causaram pelo menos 13.130 mortes e deixaram 13.718 desaparecidos no litoral nordeste do Japão, de acordo com o último cômputo oficial.

O novo abalo sísmico foi registrado às 17h16 (hora local, 5h16 de Brasília) com epicentro a dez quilômetros de profundidade na província de Fukushima, onde atingiu o grau 6 na escala japonesa de 7, que se centra mais no alcance que na intensidade do tremor.

Apenas dez minutos depois houve outros dois tremores, de magnitude 6 e 5,6, ambos também com epicentro na província de Fukushima.

Houve grande preocupação entre os funcionários da usina nuclear de Fukushima Daiichi, que trabalham dia e noite para refrigerar quatro de seus seis reatores desde o tsunami que há um mês os danificou.

Durante cerca de uma hora os reatores 1, 2 e 3 do complexo ficaram sem fornecimento externo de energia elétrica, o que impediu a injeção automática de água necessária para refrigerá-los. Com isso, os trabalhadores da central foram evacuados temporariamente.

No último mês houve cerca de 950 terremotos no Japão, em sua maioria réplicas do forte tremor de 11 de março. Delas, quatro tiveram magnitude superior a 7 e aproximadamente 70 alcançaram magnitude 6.

Após o terremoto, a Agência Meteorológica emitiu um alerta de tsunami na província de Ibaraki para ondas de até dois metros, enquanto nas províncias de Miyagi, Fukushima e Chiba se avisou de ondas de até um metro.

Esse alerta, no entanto, foi suspenso menos de uma hora após ser emitido. Além disso, a Agência de Segurança Nuclear japonesa afirmou que não houve danos nas outras usinas nucleares da região, como a de Fukushima Daini, a dez quilômetros da de Daiichi, ou as das províncias de Ibaraki, Aomori, Niigata e Miyagi, segundo “Kyodo”.