Telefone de Sarkozy foi grampeado durante investigação

Segundo Le Monde, telefone do ex-presidente foi grampeado durante uma investigação judicial sobre o financiamento de sua campanha eleitoral de 2007

Paris – O telefone de Nicolas Sarkozy foi grampeado durante uma investigação judicial sobre o financiamento de sua campanha eleitoral de 2007, informou o jornal Le Monde, apresentando um novo obstáculo potencial para o ex-presidente francês, que se acredita vá concorrer ao cargo novamente.

O jornal afirmou que o episódio de escutas telefônicas deu lugar a suspeitas de que Sarkozy tinha sido secretamente aconselhado por um juiz da Alta Corte, em troca de sua ajuda para que ele conseguisse um papel em Mônaco.

O advogado de Sarkozy, Thierry Herzog, qualificou a suposta escuta telefônica como “monstruosa”. Herzog também disse que não houve “nenhum tráfico de influência”, no contexto dos contatos com o juiz, identificado pelo Le Monde como Gilbert Azibert. A Reuters não conseguiu contato Azibert em seu escritório nesta sexta-feira.

O departamento de serviços judiciais de Mônaco confirmou, em um comunicado, que Azibert tinha sido candidato a uma posição de juiz na alta corte de Mônaco, mas disse que não houve “nenhuma intervenção externa” no processo de recrutamento. Segundo o departamento, Azibert não foi contratado.

O inquérito sobre o financiamento da campanha eleitoral começou em abril de 2013 e ainda está em um estágio sigiloso no processo legal francês, impedindo qualquer comentário dos magistrados envolvidos na investigação.

“Não é apenas escandaloso, é monstruoso. É uma violação monumental dos direitos de defesa… O sr. Sarkozy provavelmente ainda está tendo seus telefones grampeados”, disse o advogado dele ao jornal.

Nos meios políticos franceses prevê-se amplamente que Sarkozy vai disputar a eleição presidencial de 2017. Ele foi derrotado por François Hollande, há dois anos, quando tentou a reeleição.