Tanzânia registra aumento da caça ilegal de elefantes

País registrou um aumento da caça ilegal de elefantes desde que o governo foi forçado a acabar há dois meses com uma campanha contra esta prática

Dar es Salaam – O governo da Tanzânia registrou um aumento da caça ilegal de elefantes desde que o Poder Executivo foi forçado a acabar há dois meses com uma campanha polêmica contra esta prática, indicou nesta segunda-feira um vice-ministro da Tanzânia.

Em novembro e dezembro, mais de 60 elefantes foram mortos em todo o país, de acordo com o vice-ministro do Turismo e Recursos Naturais, Lazaro Nyalandu.

“Apenas dois elefantes foram mortos” em outubro, quando a campanha contra a caça ilegal estava em vigor, disse ele.

A campanha, batizada de “Operação Tokomeza” (“aniquilar” em swahili), foi acusada de causar mortes, torturas e estupros.

Os guardas tinham a autorização de atirar para matar os caçadores ilegais.

Após o fim da campanha, Nyalandu ressaltou que a Tanzânia se reunirá com governos e organizações internacionais para encontrar uma solução para o problema.

A caça ilegal de elefantes e rinocerontes, abatidos por suas presas e chifres, aumentou exponencialmente nos últimos anos na África, impulsionado pela forte demanda na Ásia e no Oriente Médio.

O fenômeno ameaça o turismo, fonte essencial de renda para a Tanzânia.