Tailândia no limbo após eleição anulada, economia sofre

Autoridade da primeira-ministra que enfrenta um processo de impeachment devido ao fracasso de um esquema de subsídio ao arroz

Bangcoc – O Tribunal Constitucional da Tailândia anulou na sexta-feira as eleições gerais do mês passado, deixando o país no limbo político sem um governo formado e minando ainda mais a autoridade da primeira-ministra que enfrenta um processo de impeachment devido ao fracasso de um esquema de subsídio ao arroz.

Enfraquecida por cinco meses de agitação, a primeira-ministra Yingluck Shinawatra deve defender-se diante de uma comissão anti-corrupção até 31 de março, e uma decisão sobre seu impeachment poderá vir logo em seguida, com a expectativa de que o Senado avalie o assunto rapidamente.

À medida que as crises se aprofundam, há um risco crescente de que os “camisas vermelhas ” partidários de Yingluck e de seu irmão, o ex-premiê Thaksin Shinawatra confrontem seus adversários nas ruas, mergulhando a Tailândia em uma nova rodada de violência política.

Vinte e três pessoas morreram nos conflitos desde novembro. A economia sofreu, e os turistas se afastaram quando os manifestantes fecharam escritórios do governo e bloquearam as principais vias, por vezes, em Bangcoc para tentar derrubar Yingluck .

Confiante de que seu partido Puea Thai iria ganhar, Yingluck convocou eleições para 2 de fevereiro deste ano, em uma tentativa de acalmar os protestos anti-governo, e desde então tem liderado um governo interino, com poderes limitados.

Os juízes do Tribunal Constitucional decidiram por 6 votos a 3 na sexta-feira que a eleição era inconstitucional porque a votação não ocorreu no mesmo dia em todo o país.

Manifestantes anti-governo impediram a votação em cerca de um quinto das zonas de votação, e em 28 delas, o voto não era uma possibilidade porque candidatos não foram capazes de se registrar.

A agitação foi o mais recente capítulo de uma crise de oito anos que coloca classe média e monarquista de Bangcoc contra os eleitores de Yingluck e Thaksin Shinawatra, que foi derrubado pelo Exército em 2006 e vive no exílio para evitar uma pena de prisão por corrupção.