Suspeitos de apoiarem milícia islâmica na Somália são presos

As detenções foram efetuadas durante uma grande operação realizada pelo Exército Nacional Somali e a milícia pró-governo Raskamboni

Mogadíscio – Mais de 400 pessoas suspeitas de apoiar a milícia radical islâmica Al Shabab foram presas nesta quinta-feira na cidade portuária de Kismayo, antigo bastião dos islamitas a cerca de 500 quilômetros ao sul de Mogadíscio.

As detenções foram efetuadas durante uma grande operação realizada pelo Exército Nacional Somali e a milícia pró-governo Raskamboni, informou à Agência Efe Abdinasir Serar, porta-voz das forças somalis na cidade.

”Iniciamos a operação de segurança em Kismayo após ver supostos membros da Al Shabab na cidade e a ocorrência de uma série de ataques”, disse Serar.

”Prendemos cerca de 450 pessoas. Amanhã haverá uma investigação. O motivo da operação é o grande número de civis mortos e feridos na cidade” por ataques cometidos pela Al Shabab, disse o porta-voz.

Serar acrescentou que a ofensiva contra os simpatizantes da milícia radical continuará até a pacificação de Kismayo.

Najmo Yousef, morador da cidade, confirmou à Efe que ”centenas de pessoas foram detidas pelas forças do governo da Somália em uma enorme operação de segurança”.

O último atentado em Kismayo ocorreu na terça-feira, quando quatro civis morreram e vários ficaram feridos após a explosão de uma bomba em um restaurante. Forças da Missão da União Africana na Somália (Amisom) tomaram o controle de Kismayo da Al Shabab no final de setembro.

A importância de Kismayo é o seu porto, que gerava grandes receitas para os radicais com as exportações e que também servia como ponto de entrada de armamento.

No entanto, os islamitas controlam ainda amplas zonas do centro e do sul do país, onde o frágil governo somali ainda não está em condições de impor sua autoridade.

As tropas da Amisom, o exército somali, as forças etíopes e milícias pró-governo combatem a Al Shabab, que em fevereiro anunciou sua união formal à rede terrorista Al Qaeda e que tem como objetivo instaurar um Estado muçulmano wahhabista no país.

A Somália vive em um estado de guerra civil e caos desde 1991, quando o ditador Mohammed Siad Barré foi derrubado, o que deixou o país sem um governo efetivo e em mãos de milícias islamitas, senhores da guerra e grupos de criminosos de armados.