Suspeitos da matar Nemtsov foram torturados, crê ativista

Após visitar homens detidos, ativista de direitos humanos russo disse que eles sofriam de múltiplos ferimentos

Moscou – Três suspeitos do assassinato do líder opositor russo Boris Nemtsov provavelmente foram torturados enquanto estavam detidos, disse nesta quarta-feira um membro do conselho de direitos humanos do Kremlin.

Após visitar três dos cinco suspeitos de etnia chechena na prisão Lefortovo, em Moscou, o ativista de direitos humanos Andrey Babushkin disse que os homens detidos por causa do assassinato de 27 de fevereiro sofriam de múltiplos ferimentos.

Nemtsov foi o mais proeminente de uma série de críticos do Kremlin a serem mortos durante o governo de 15 anos do presidente Vladimir Putin.

O assassinato no centro de Moscou chocou seus colegas e seguidores, que dizem que a investigação é um teste para as leis da Rússia.

Assessores do político liberal morto suspeitam que membros da segurança estatal russa sejam cúmplices do crime.

Putin condenou o assassinato e prometeu levar os criminosos à Justiça.

Autoridades afirmam que o ex-policial checheno Zaur Dadayev, que está sob custódia junto com seus primos, Anzor e Shagid Gubashev, admitiu envolvimento no crime.

Dadayev e Anzor Gubashev foram formalmente acusados.

“Existem bases razoáveis para acreditar que Dadayev e os Gubashev foram torturados”, escreveu Babushkin no seu site.

O ativista escreveu que Dadayev tinha “múltiplos ferimentos” visíveis em seu corpo, enquanto Anzor Gubashev tinha escoriações no nariz, pulsos e pernas, que ocorreram após ser detido.

Dadayev serviu como vice-comandante do Batalhão “Norte” da Chechênia.

Ele foi reconhecido com a Ordem do Estado da Rússia por coragem durante seu serviço na Chechênia, região volátil no Cáucaso Norte onde tropas russas lutaram duas guerras contra separatistas.

De acordo com a explicação de Babushkin, Dadayev disse que foi “sequestrado” dia 5 de março enquanto chegava à região de Ingushetia, vindo do Daguestão, no Cáucaso Norte.

Rustam Yasupov, amigo e colega de exército de Dadayev, estava presente na hora da detenção, escreveu Babushkin, adicionando que o homem desapareceu desde então.

De acordo com Babushkin, foi prometido a Dadayev que se admitisse o assassinato de Nemtsov, Yasupov seria liberado.

Babushkin recorreu ao conselho de direitos humanos para informar a Putin de suas descobertas e disse que forças de segurança deveriam investigar as alegações de tortura.

Aliados do falecido Nemtsov estão desprezando a investigação do Estado e dizem que culpar os islâmicos chechenos só serve para tirar atenção de Putin, pessoas próximas dele ou serviços de segurança.