Supertufão faz filipinos pensarem que era o fim do mundo

Milhares de pessoas foram evacuadas de áreas onde havia alertas sobre sérios riscos de inundações e deslizamentos de terra

“Dava a impressão de ser fim do mundo”, declara Bebeth Saquing, que já viu dezenas de tempestades em sua vida, mas nada comparado com o supertufão Mangkhut, que passou neste sábado por sua região norte das Filipinas, com ventos de mais de 250 km/h.

O supertufão Mangkhut, o mais violento do ano entre as dezenas de tempestades que muitas vezes atingem o arquipélago, deixou um rastro de casas destruídas, árvores e telhados arrancados, cortes de energia e deslizamentos de terra.

“Parecia o fim do mundo, foi mais forte que o Lawin”, comenta Saquing, 64 anos, que lembrade outro poderoso tufão que atingiu a região em 2016.

A casa de Saquing, no entanto, conseguiu resistir aos ventos causados pelo supertufão.

Ao menos oito pessoas morreram nas Filipinas na passagem de Mangkhut. Cerca de quatro milhões de pessoas vivenciaram a passagem de um dos mais destruidores dos tufões no norte de Luzon, uma região rural e agrícola das Filipinas.

A magnitude dos danos aparece ao longo deste sábado, com o desabamento de morros einundações incontroláveis que levaram à evacuação dos habitantes de suas casas inundadas.

As autoridades apenas começam a avaliar os danos do dia. Vários comboios de socorridas foram enviados para as áreas rurais de Luzon, onde grande parte do arroz e milho do país são produzidos.

Duas vezes mais forte

O medo espalhou-se rapidamente entre os quase quatro milhões de pessoas que viviam na área, antes mesmo de o supertufão chegar à terra.

Milhares de pessoas foram evacuadas de áreas onde havia alertas sobre sérios riscos de inundações e deslizamentos de terra.

Myrna Parallag e seus dois netos fugiram de casa um dia antes de Mangkhut atingir a região.

“Receio que as inundações sejam sérias e cheguem à minha casa”, disse a mulher de 53 anos à AFP, enquanto procurava um abrigo perto da cidade de Tuguegarao.

Não é a primeira vez que ela vê um tufão dessa magnitude. Parallag sobreviveu a Lawin, também conhecido como supertufão Haima, mas desta vez perdeu sua casa.

“De acordo com as previsões, o tufão agora é duas vezes mais forte”, explicou Parallag, que ganha a vida vendendo comida nas ruas.

Agora, uma vez que o tufão Mangkhut começa a deixar o território filipino, o balanço de vítimas pode aumentar, alertou Ricardo Jalad, chefe do escritório da Defesa Civil.