Suicida dispara contra escola da Nigéria e fere estudantes

O agressor abriu fogo contra os estudantes que estavam esperando na porta para passar pelo controle logo após às 10h00 locais

Kano – Doze estudantes ficaram gravemente feridos nesta sexta-feira por um suicida que abriu fogo antes de acionar seus explosivos em frente a uma escola, na cidade de Potiskum, nordeste da Nigéria, região regularmente alvo do Boko Haram, de acordo com um oficial da polícia e testemunhas.

Vários alunos da “Escola de Administração e Negócios” (CABS) do estado de Yobe relataram que o agressor, que portava um cinturão de explosivos, cometeu suicídio depois de ter esgotado sua munição, mas sem fazer outras vítimas.

“Nós transportamos 12 pessoas com graves ferimentos de bala para um hospital”, declarou um policial sob condição de anonimato.

Após uma série de ataques na cidade de Potiskum, alguns contra escolas, os estudantes do CABS atualmente precisam passar por uma verificação de segurança antes de entrar no campus.

O agressor abriu fogo contra os estudantes que estavam esperando na porta para passar pelo controle logo após às 10H00 locais (04h00 de Brasília), de acordo com testemunhas.

“A aula tinha acabado de começar quando ouvimos tiros vindo da porta. Imediatamente compreendemos que era um ataque e corremos para fora da sala”, relatou um estudante do ensino médio, Tijjani Musa.

De acordo com outro estudante, Mustapha Umar, o atirador conseguiu atravessar o portão de entrada em meio ao pânico que se seguiu aos primeiros tiros.

“Ele continuou a disparar esporadicamente”, mas foi perseguido por um grupo de estudantes que queriam dominá-lo, disse à AFP.

“Quando acabou a munição, ele ativou os explosivos escondidos sob a túnica, matando a si mesmo, mas sem fazer qualquer outra vítima no meio da multidão”, acrescentou Umar.

O ataque não foi reivindicado, mas Potiskum já foi alvo de vários ataques dos islamitas do Boko Haram, que assolam a região há anos.

Em novembro passado, 58 pessoas foram mortas e 117 feridas em um atentado suicida contra uma escola nas proximidades do CABS. O ataque foi atribuído ao Boko Haram, que ataca regularmente instituições educacionais “ocidentais”.

Outro atentado particularmente mortal contra estudantes ocorreu em setembro de 2013 no estado de Yobe, quando dezenas de estudantes foram massacrados enquanto dormiam no colégio federal da cidade de Buni Yadi.

O grupo sofreu importantes derrotas militares desde que uma ofensiva militar regional foi lançada em fevereiro contra suas muitas posições pelo Chade, Camarões e Níger em apoio do exército nigeriano.

Desde 2009, quinze mil civis foram mortos nos ataques realizados pelo Boko Haram e nas reações, muitas vezes indiscriminadas, do exército nigeriano, e mais de 1,5 milhão de pessoas foram deslocadas pela violência.