Em NY, Hillary e Trump jogam em casa

Após um ano de campanha, as pimrárias à Casa Branca chegam hoje a Nova York. E a pressão está nas costas dos dois favoritos – a democrata Hillary Clinton e o republicano Donald Trump. Os dois são amplos favoritos na disputa, com 99% de chances de vencer em casa.

Hillary nasceu em Chicago, mas foi eleita senadora duas vezes pelo estado. Trump nasceu no Queens e construiu seu império empresarial na cidade. Além deles, o democrata Bernie Sanders nasceu no Brooklyn e, embora seja senador por Vermont, tenta ganhar pontos reforçando seus laços com a cidade e o estado.

Na última semana, os três se dedicaram a uma maratona gastronômica, que incluli cheesecake, cachorro-quente, pizza e todo tipo de porcaria que os faça parecer mais simpáticos entre os nova-iorquinos. O jornal New York Times fez um teste para mostrar quem, dentre os três, é o mais legítimo representante da cidade que inclui até o sotaque – neste quesito, ponto para Sanders.

Se vencer em casa, Hillary praticamente assegura a nomeação democrata com pouco menos da metade dos delegados em disputa. Trump, por sua vez, precisa de uma vitória arrasadora para mostrar que pode chegar aos 1.237 delegados necessários antes da convenção do partido.

Ontem, o ex-candidato à Casa Branco Mitt Romney fez um apelo aos concorrentes John Kasich e Ted Cruz para que um deles abandone logo a disputa sob risco de Trump conseguir os votos necessários. Dividir o eleitorado, diz, é ótimo para Trump. Em Nova York, o bilionário falastrão vai jogar em casa.