Desemprego baixo no México não retrata a realidade

<EM><SPAN>E</SPAN>mig<SPAN>r</SPAN>ação <SPAN>de trabalhadores mexicanos </SPAN>para os Estados Unidos e a ausência de qualquer apoio <SPAN>governamental </SPAN>a desempregados<SPAN>maquiam taxa de desemprego</SPAN></EM>

A falta de seguro-desemprego e a emigração de trabalhadores para os Estados Unidos contribui para que a taxa de desemprego do México seja uma das menores do mundo 3,6% em junho. Para adequar suas estatísticas com as dos demais membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que passou a integrar em 1994, o México implementou em janeiro uma nova pesquisa de desemprego.

O resultado surpreendeu, trazendo uma taxa ainda menor do que a obtida pelos métodos antigos e abaixo da verificada em qualquer país da Europa e da América Latina. A pesquisa reformulada inclui trabalhadores no meio rural e aqueles que conduzem seus próprios pequenos empreendimentos, não se limitando às cidades e à economia formal.

As duas maiores explicações para esse dado inusitado, diz reportagem desta quarta-feira (10/8) do americano The Wall Street Journal, são a inexistência de benefícios de seguridade social para desempregados e a emigração de mão-de-obra mexicana para os Estados Unidos.

Em outros países, o apoio do poder público para cidadãos afastados do mercado de trabalho, diz a reportagem, permite aos desempregados permanecer mais tempo nessa condição e ser mais seletivos na hora de decidir se aceitam ou não uma vaga. “No México, as pessoas não podem têm essa prerrogativa e são rápidas em aceitar qualquer tipo de ocupação.”

O fato de centenas de milhares de mexicanos buscarem emprego em território americano também minimiza as estatísticas de emprego no México, diz The Wall Street Journal.