Síria não vai cumprir prazo para destruir armas químicas

O governo sírio afirmou à Opaq que concluirá o processo de retirada das 1.200 toneladas de agentes químicos até o final de maio, segundo fonte

Haia – A Síria não vai retirar de seu território suas armas químicas a tempo de destruí-las antes do final de junho, conforme previsto pelo acordo aprovado pela ONU, indicaram nesta quinta-feira fontes diplomáticas.

O governo sírio afirmou à Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq) que concluirá o processo de retirada das 1.200 toneladas de agentes químicos até o final de maio, segundo uma fonte ligada à organização.

O plano de desarmamento químico da Síria, aprovado pela ONU depois de um acordo entre Moscou e Washington, prevê a eliminação de todo o arsenal químico sírio até 30 de junho.

As substâncias químicas em questão devem ser transportadas do porto sírio de Latakia para o porto italiano de Gioia Tauro, onde serão depositadas em um navio da Marinha dos Estados Unidos, equipado especialmente para destruí-las.

Esse processo deve levar cerca de 90 dias e, por isso, será impossível destruí-las no tempo previsto.

A Síria afirma que a falta de segurança devido à guerra civil tem atrasado o transporte das substâncias.

Em 6 de fevereiro, o Conselho de Segurança das Nações Unidas enviou uma severa advertência, mas nenhum prazo, ao regime sírio exigindo mair rapidez no transporte de seu arsenal químico.