Seul suspeita de relação entre Coreia do Norte e Síria

Coreia do Sul suspeita de negociação de armas químicas entre Pyongyang e Damasco

Seul – O ministério sul-coreano da Defesa pediu nesta quinta-feira à comunidade internacional que preste atenção ao arsenal químico da Coreia do Norte e sugeriu que Damasco e Pyongyang podem ter negociado este tipo de armas.

“Pensamos que existe uma relação entre a Coreia do Norte e a Síria pelas armas químicas”, declarou Kim Min-Seok, porta-voz do ministério.

O regime sírio é suspeito de ter atacado em 21 de agosto, com armas químicas, zonas periféricas de Damasco controladas pelos rebeldes, o que teria provocado centenas de mortos.

Qualquer prova que demonstrasse a relação entre a Coreia do Norte e os ataques na Síria isolaria ainda mais Pyongyang, que está proibida pela ONU de comercializar armamento após seus testes nucleares e balísticos.

Em várias ocasiões foi mencionada a suspeita de que Pyongyang e Damasco negociavam armas químicas.

Seul interceptou em 2009 um carregamento de equipamentos de proteção em um navio nas proximidades do porto sul-coreano de Busan, disse o porta-voz.

Em novembro de 2009, as autoridades gregas apreenderam quase 14.000 trajes de proteção contra armas químicas em um barco norte-coreano que poderia estar em viagem para a Síria, informaram dois anos depois diplomatas da ONU.

O jornal japonês Sankei Shimbun informou em agosto que a Coreia do Norte tentou exportar máscaras de gás para a Síria recentemente. Com base em informações repassadas pelos Estados Unidos, a Turquia interceptou um navio que transportava fuzis, pistolas, munições e máscaras máscaras de gás.

Segundo o porta-voz do ministério, a Coreia do Norte teria um arsenal de 5.000 toneladas de armamento químico.